» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
5.252

Asus ROG Phone 3

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

Parece meio tarde para falar do ROG Phone 3, ainda mais quando o seu sucessor já foi lançado. Mas será que ele está defasado ou o top de linha gamer da Asus ainda é bom de jogo. Você vai conferir nesta análise completa do TudoCelular se o ROG 3 ainda é uma boa compra.

Acessórios

O ROG Phone 3 vem em embalagem escura com o nome e logo em tom prateado. Além do aparelho, você recebe os seguintes acessórios:

  • Carregador com 30W de potência
  • Cabo USB no padrão C
  • Adesivos ROG metalizados
  • Guia do usuário
  • Capinha de plástico
  • Chavinha da gaveta do SIM Card
Design e construção

Comparado à geração anterior tivemos poucas mudanças no design. A Asus decidiu não mexer no que havia feito certo no seu celular gamer e o ROG 3 apresenta mesmo tamanho e peso. Tela e bordas ocupam o mesmo espaço na parte frontal, enquanto na traseira tivemos algumas mudanças para dar uma revigorada no design já batido.

O bom de não termos mudanças drásticas é que os acessórios compatíveis com o ROG 2 também funcionam no sucessor. É notável ver que a Asus conseguiu incluir antenas 5G e até alto-falantes mais potentes sem modificar o projeto ou deixar o celular mais pesado.

Porém, nem tudo é boa notícia. A entrada P2 acabou sendo sacrificada no ROG Phone 3, mas você pode conectar um adaptador para fones de ouvido no acessório com cooler que serve para resfriar o celular.

O ROG Phone ainda continua sem proteção contra água e a culpa está na abertura traseira que ajuda na dissipação de calor. O LED com iluminação RGB continua presente e serve para alertar sobre notificações recebidas, além de dar o apelo gamer que o celular precisa.

A qualidade de construção é exemplar com corpo de metal e acabamento em vidro, trazendo proteção Gorilla Glass 6 na frente. O leitor biométrico na tela responde bem, sendo bastante ágil. O ROG possui quatro microfones espalhados que cuidam do cancelamento de ruído. As laterais são sensíveis à pressão, no mesmo estilo da linha Pixel, e você pode configurar para executar comandos ao apertar de leve ou mais forte.

Os gatilhos continuam na lateral do mesmo lado do botão de energia e volume. Eles foram aprimorados desde a última geração e permitem sentir com mais precisão os jogos, dando a impressão de que você realmente tem botões dedicados para a jogatina.

A porta USB-C dupla foi mantida na lateral e serve tanto para conectar alguns acessórios, como também pode ser usada para recarregar o celular enquanto você joga. O software da Asus para de recarregar a bateria quando chega em 100%, fazendo com que o ROG se alimente diretamente da tomada, evitando o desgaste da bateria.

Tela e som

Comparando as fichas do ROG 3 com seu antecessor, você pode ter a impressão de que a tela só evoluiu em um único ponto: a taxa de atualização. Tudo bem que a resolução e o tamanho seguem iguais, mas o painel adotado entrega brilho mais forte, cores mais vibrantes e amplo ângulo de visão.

O sensor de toque na tela também evoluiu e agora alcança a velocidade de 270 Hz, com a latência de resposta sendo ainda menor. Isso significa que quando você toca na tela para dar um comando ao personagem do jogo, ele responderá mais rapidamente, dando vantagem em jogos competitivos como CoD Mobile.

O painel AMOLED do ROG 3 é de 10-bit, o que permite reproduzir mais de 1 bilhão de cores diferentes. Isso é mais do que a grande maioria dos celulares do mercado. Ainda há suporte a HDR10+ compatível com os principais serviços de streaming e várias opções de calibração de cores.

A Asus não caprichou apenas na tela, mas a parte sonora do ROG 3 também impressiona. Ele entrega a melhor qualidade de som que já vimos em um celular. Pode não ser dos mais potentes, mas aqui você tem áudio bem balanceado com graves fortes e marcantes. Há um modo externo que sacrifica um pouco os graves para turbinar o volume e ajuda bastante em locais barulhentos.

Desempenho

O ROG 3 vem equipado com o chip Snapdragon 865 Plus. Pode não ser mais tão empolgante agora em 2021 com a chegada do ROG 5 com Snapdragon 888, mas ainda é um hardware potente e que tem muito a oferecer. Em nosso teste de velocidade focado no multitarefas vimos um pequeno ganho de velocidade comparado ao ROG 2, mas acabou ficando abaixo do S21 Ultra com seu Exynos 2100.

A verdade é que o software da Asus nunca foi dos mais ágeis, mas não falta poder bruto no ROG 3. Ele chega muito perto de lançamentos recentes em pontuações de benchmarks e no AnTuTu fica apenas 5% abaixo do top da Samsung. Você pode ativar o Modo X com três níveis diferentes de overclock para conseguir números maiores, mas o level 3 só ativa com o cooler conectado.


O ROG 2 foi o nosso queridinho em jogos por um bom tempo e o novo segue a mesma linha. Consegue 144 fps no Subway Surfers e Mortal Kombat, 120 fps no Coverfire e 60 fps no Asphalt 9, PUBG e CoD Mobile. Sem falar que há muito mais jogos que passam de 60 fps na linha ROG, enquanto outros celulares com tela de 120 Hz não se beneficiam disso.

A Asus também aprimorou o sistema de dissipação do ROG para que ele esquente menos e apresente menor queda de velocidade para o processador e chip gráfico durante longas sessões de jogatina. Claro que ativar o Modo X faz o celular esquentar um pouco mais, mas com a ajuda do cooler tudo continuará fluindo de forma agradável.

Câmeras

O ROG 2 não empolgava em câmera. Será que isso muda no novo? A câmera principal ganhou um novo sensor, agora com 64 MP. A secundária com lente ultra-wide segue inalterada, enquanto há agora uma terceira para complementar o conjunto, e esta serve para macros.

A câmera principal traz o mesmo sensor da Sony presente em uma infinidade de celulares intermediários. É uma câmera simples sem sistema de estabilização avançado ou mesmo foco a laser. O ROG 3 consegue boas fotos diurnas, com nível de detalhes dentro do esperado e cores sem saturação exagerada.

Principal | Ultra-wide



Apesar de não ter uma câmera dedicada para desfoque, o ROG se saiu melhor do que o Legion ao borrar o fundo de cenários. A câmera dedicada para macros tem foco fixo, o que impede chegar muito perto, mas tem boa qualidade e registra fotos mais nítidas que muitos celulares.

Macro



A ultra-wide apresenta fotos mais suavizadas e com HDR mais limitado. Não chega a ser uma câmera ruim e ajuda bastante quando for preciso registrar uma parte maior do cenário. Em locais escuros temos uma queda considerável na qualidade comparado à principal, mas a verdade é que o ROG não é um aparelho recomendado para fotografar à noite.

Zoom



A câmera frontal também não impressiona em selfies. Não espere por nível elevado de detalhes ou desfoque de fundo perfeito, mas para um celular gamer até que o resultado é decente. Se for tirar uma selfie à noite é bom chegar próximo de uma fonte de luz ou a foto ficará bem escura.

Selfies



O ROG 3 segue o mesmo do Zenfone 7 na filmadora. Você é capaz de gravar vídeos em 8K a 30 fps. O bom de ter quatro microfones é que o som sai mais limpo que muito celular que testamos. O ROG 3 também faz boas filmagens em 4K e Full HD, mas é bom evitar gravar à noite já que os vídeos saem bastante escuros.

Apesar de não ter estabilização óptica, ele não sofre com tremidos. O foco é que poderia ser mais ágil como no seu primo Zenfone 7.

Bateria

O ROG 2 foi o top de linha com a melhor autonomia de bateria por um bom tempo em nosso ranking do TudoCelular. Eis que o celular gamer da Asus foi superado pelo Galaxy S21 Ultra. Será que o ROG 3 recupera o trono? Por mais que o hardware mais atual tenha menor consumo de energia, o aumento na taxa de Hz da tela acabou cobrando o seu preço e o novo rendeu alguns minutos a menos em nossos testes.


De qualquer forma, ainda é melhor do que o Legion Phone Duel, o maior rival do ROG 3 aqui no Brasil. Sem falar que ele ainda fica entre os melhores e supera a maioria dos celulares top de linha que testamos nos últimos anos. A bateria dura muito e sobra para o dia seguinte. Claro, se você for jogar sem parar terá que fazer uma segunda carga no dia.


A parte curiosa é ver que o tempo de recarga aumentou, por mais que a bateria seja a mesma de antes. O ROG 3 leva quase 2 horas para recarregar, sendo quase o dobro do Legion. Sem falar que o da Lenovo leva apenas meia hora quando se usa as duas portas USB para recarregar. O da Asus leva 15 minutos para recuperar 20% e 30 minutos para chegar a 40% - poderia ter um carregamento acelerado mais eficiente.

Software

O ROG 3 sai da caixa com Android 10 e até agora nada de atualização para o Android 11. A interface padrão é a ROG UI, diferente da ZEN UI que tem apelo visual mais simples e próximo do Android puro. Os recursos presentes neste são praticamente os mesmos do seu antecessor.

É possível ligar a tela ao pegar no telefone, dar dois toques no botão de energia para abrir a câmera ou ativar o modo com uma mão ao tocar duas vezes no botão iniciar. Com o sensor de pressão você pode ligar a lanterna, ativar o Google Assistente ou abrir um app específico. Também é possível controlar músicas usando gestos na tela apagada.

Quando um jogo é aberto surge o Game Genie, uma interface que traz alguns controles para aprimorar a jogatina, como bloquear notificações, escolher a taxa de atualização da tela, travar o nível de brilho e configurar os gatilhos.

E não podemos esquecer do Armoury Crate, suíte onde fica toda a experiência gamer com a linha ROG. A interface fica travada em modo paisagem e todos os jogos são agrupados na mesma tela com direito a perfis individuais de configuração. É possível ativar um nível diferente do Modo X para cada jogo, assim como controlar o uso de CPU, GPU e ficar de olho na temperatura.

É no Armoury Crate que você também configura os gatilhos e macros. Há opções já pré-definidas, mas você pode criar uma configuração específica para cada jogo.

Rivais

ROG Phone ou Legion Duel: qual o melhor celular gamer no Brasil? O da Asus tem melhor conjunto, apesar do rival da Lenovo ser mais veloz no uso com vários apps e recarregar bem mais rápido.

Agora se você não se importa com os recursos gamers e busca apenas um bom top de linha com tela de 120 Hz, o Galaxy S21 Ultra entrega melhores câmeras com bateria que dura mais, além de ter Android mais atual e garantia de atualizações por três anos.

Pontos fortes e fracos

Pontos fortes

  • Excelente tela AMOLED 144 Hz
  • Som potente com graves intensos
  • Gatilhos fazem diferença nos jogos
  • Bateria dura muito

Pontos fracos

  • Desempenho no multitarefas poderia ser melhor
  • Tempo de recarga demorado
  • Sistema desatualizado
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

Seu custo-benefício é bom, comparado a rivais que são inferiores e mais caros

Embalagem e características

Caixa traz capinha e adaptador para fones de ouvido

Comodidade

O ROG Phone 3 é um celular grande e escorregadio

Facilidade de uso

ROG UI traz vários extras além do Android pradrão, mas não é muito intuitiva

Multimídia

Tela excelente e som estéreo potente garantem experiência multimídia incrível

Votação Geral

ROG Phone 3 é o melhor celular gamer, mas poderia ter câmeras melhores

Video

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Asus ROG Phone 3