» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
568

Motorola Moto E6 Play

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

Por mais que a linha Moto E tenha perdido o sentido há alguns anos, a Motorola ainda segue lançando novos basicões que sofrem para competir com os modelos de entrada da concorrência. Em 2018 testamos o E5 Play que veio para o Brasil apenas em versão com Android Go e oferecia uma experiência decepcionante; agora temos aqui o seu sucessor em mãos, o Moto E6 Play. Será que o seu custo-benefício é mais interessante que a versão Plus? Vale a pena comprar o mais recente basicão da marca ou tem opções melhores? É isso que você verá nesta análise completa do TudoCelular.

Acessórios

O Moto E6 Play vem em caixa laranja com tom chamativo, mesmo padrão adotado pela Motorola

  • Carregador de 10W de potência
  • Cabo USB no antigo padrão micro
  • Fone de ouvido
  • Chavinha para abrir gaveta do SIM e microSD
  • Capinha de silicone
  • Manuais do usuário
Design e construção

Este é um celular básico de baixo custo, que chegou ao mercado por R$ 700, então não espere muito do acabamento, ele é todo feito de plástico. Pelo menos a Motorola se esforçou para esconder a sua simplicidade com uma pintura metálica disponível em duas cores: cinza ou azul. Comparado a outros basicões ele acaba chamando a atenção e vai agradar o público jovem.

O plástico espelhado risca fácil e também é um imã para marcas de dedos, mas pelo menos a Motorola incluiu uma capinha de silicone na caixa que resolve estes problemas. Já o design com bordas largas é mais difícil de aceitar para um aparelho lançado no final de 2019, enquanto a versão Plus adota entalhe em formato de gota para reduzir a moldura ao redor da tela.

Uma decisão curiosa tomada pela Motorola é que a versão Plus possui traseira e bateria removíveis, mas esta versão mais em conta não tem esse diferencial. De resto não há muitas diferenças: nada de Wi-Fi com suporte a banda de 5 GHz, Bluetooth 5.0 ou mesmo USB-C.

Pelo menos há leitor biométrico na traseira, algo ausente em alguns modelos de entrada de outras marcas. Ele é bastante preciso, porém não é dos mais rápidos. E se você perder a paciência com o leitor de digitais, não há para onde correr, já que a biometria facial também é lerda.

Tela e som

A primeira boa notícia é que a Motorola não repetiu o mesmo erro do E5 Play com sua tela medíocre e desta vez adotou um painel IPS LCD de boa qualidade. Ele entrega o mesmo nível de brilho da média no segmento de entrada e só fica atrás da tela da variante Plus em contraste.

Se você usa muito o celular no escuro notará o preto acinzentado da tela, mas no geral a reprodução de cores e o ângulo de visão são aceitáveis para um aparelho nessa faixa de preço. O tom frio do branco deixa tudo um pouco azulado, mas a maioria até prefere assim.

Fugindo um pouco do padrão, o alto-falante do E6 Play não fica localizado próximo à entrada USB, mas a Motorola decidiu usar o falante de chamadas para reproduzir som no geral. A potência é boa e o áudio é até mais equilibrado do que vimos no E6 Plus.

O fone de ouvido não é aquele confortável com ponteiras de borracha que vem com os modelos da linha Moto G, porém é melhor que os fones vagabundos que Samsung e LG oferecem em seus celulares da entrada e até em intermediários.

Desempenho

Para tentar oferecer um celular com preço competitivo no lançamento, a Motorola precisou fazer alguns cortes e decidiu apostar em hardware antigo lançado em 2017. A plataforma MT6739 ainda é da época que processador da MediaTek era gastão de bateria. Sem falar que ter apenas quatro núcleos é pouco para o padrão atual.

A prova disso está em nosso teste de velocidade. O E6 Play demorou incríveis 6 minutos para abrir e resgatar da memória uma dúzia de aplicativos. Se isso já era inaceitável em 2017, imagina agora em 2020 quando temos celulares de entrada que levam menos de 2 minutos em nosso teste padronizado.


Em benchmarks isso também se repete. Modelos com hardware mais recente já beiram aos 100 mil pontos no AnTuTu, enquanto o E6 Play fica bem abaixo disso. E em jogos, ele pelo menos serve para passar o tempo?

Se você não é exigente ou não faz questão de jogos competitivos como PUBG ou Call of Duty até vai se divertir com o E6 Play. Ele sofre com um pouco de lentidão em games mais recentes, como o Mario Kart, então se jogar é algo essencial para você, prepare-se para ficar decepcionado.

Câmera

Você já viu que o Moto E6 Play decepciona em desempenho e bateria, será que pelo menos a câmera se salva? Não tem como mentir e tentar te enganar, este celular da Motorola mantém a mesma câmera medíocre de antes, por mais que a resolução tenha aumentado.

Isso não quer dizer que toda foto sairá ruim, mas no geral ele peca na exposição deixando as fotos muito escuras. Você pode usar o HDR para compensar, mas aí terá fotos claras demais, destruindo os detalhes das sombras. Sem falar que o celular demora para salvar fotos com HDR ativado devido ao hardware defasado.

Sem HDR | Com HDR




Em ambientes fechados ou em locais escuros ele não sofre tanto com excesso de ruídos. O que é bom, mas para isso acaba matando muitos dos detalhes e apresenta nitidez abaixo da média. Se a câmera já é limitada de dia, à noite não espere bons resultados.

A frontal é ainda pior. A qualidade é baixa e normalmente terá selfies com o fundo estourado que fica ainda pior quando o efeito retrato é ativado. Se você tentar ativar o HDR para reduzir o problema, o app de câmera simplesmente trava e a foto não é salva.

Selfie | Retrato




O recorte do modo retrato não é dos melhores. Com a traseira é comum ter resultados tremidos e com a frontal normalmente verá que suas orelhas saem completamente desfocadas dando um efeito bastante artificial com cara de edição amadora feita às pressas no Photoshop.

A filmadora traseira grava em Full HD. A qualidade não é lá essas coisas, mas pelo menos oferece estabilização eletrônica para reduzir os tremidos, algo raro em celulares de entrada. O recurso até que funciona bem, mas torna o foco ainda mais lerdo. À noite então é que o foco fica ainda mais problemático e muitas vezes você terá que tocar na tela para dizer ao E6 Play onde ele deve focar.

Outro problema de filmar em locais escuros, além da grande perda na qualidade, é que a taxa de quadros cai pela metade, tornando os vídeos menos fluidos. A frontal sofre ainda mais ao exagerar na quantidade absurda de ruídos e fica limitada apenas à resolução HD.

Bateria

E por ter hardware antigão, isso se reflete também na bateria. Os processadores mais recentes da MediaTek melhoraram muito em eficiência e temos muitos celulares que duram dois dias longe de tomadas. O E6 Play, infelizmente, não é um deles.


Se você tirar o celular da tomada ao acordar, ele acabará descarregando no início da noite sem nem exigir muito dele. Se for abusar do brilho da tela, assistir muitos vídeos no YouTube ou até mesmo jogar por algumas horas terá que fazer uma segunda carga no meio da tarde.


O bom de ter uma bateria pequena é que ela não demora muito para recarregar, mesmo com o carregador fraco que vem com o aparelho. Claro, é preciso esperar mais de 2 horas, mas ainda está abaixo da média do segmento.

Software

Se você esperou até aqui já deve saber que o E6 Play não é um celular bacana, então quais opções melhores para comprar? Ele custa menos de R$ 600 atualmente, que é a faixa de preço que normalmente encontramos o ótimo K40s, que é um celular muito mais rápido. O básico da LG demora muito menos para abrir apps e jogos e não sofre tanto com engasgos, além de ter recursos extras úteis.

Se ficou decepcionado com a bateria do E6 Play, então além do K40s você também pode ir de Redmi 8A, Galaxy A10 ou mesmo Moto E6 Plus, que além de oferecer melhor autonomia, ainda tem a vantagem da bateria removível.

É câmera boa que você quer? Então mais uma vez recomendamos o da LG, mas pode escolher qualquer um que citamos que todos eles são melhores que este da Motorola.

Pontos fortes e fracos

Pontos fortes

  • Tela LCD de boa qualidade
  • Potência sonora decente
  • Tempo de recarga abaixo da média

Pontos fracos

  • Design defasado com excesso de bordas
  • Desempenho muito abaixo da concorrência
  • Autonomia de bateria mediana
  • Câmera muito ruim para fotos
  • Efeito retrato problemático
  • Preço salgado pelo que oferece
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

Seus rivais oferecem mais pelo mesmo preço.

Embalagem e características

Embalagem traz bom fone de ouvido e capinha de proteção.

Comodidade

Não é um celular muito grande, mas escorrega fácil da mão.

Facilidade de uso

Android praticamente puro sem os extras da Motorola.

Multimídia

Tela e som são apenas decentes para um aparelho do seu preço.

Votação Geral

O Moto E6 Play é um dos piores lançamentos de 2019.

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Motorola Moto E6 Play