» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
999

Motorola Moto G41

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

A Motorola segue com seu ritmo frenético de lançamentos e trouxe ao Brasil nas últimas semanas o Moto G41, um intermediário simples que foi anunciado oficialmente no final de 2021 em outros países. Ao olhar para a ficha técnica do aparelho no site do TudoCelular, você já deve ter percebido que ele tem muito em comum com o Moto G31. O que será que este traz de novo? Será uma melhor compra? É isso que esta análise do TudoCelular vai averiguar.

Acessórios

O Moto G41 vem em embalagem escura com o logo branco da Motorola e o nome do aparelho em verde. Além do celular, você recebe os seguintes acessórios:

  • Carregador de 33W de potência
  • Cabo USB no padrão C
  • Fone de ouvido básico
  • Capinha transparente de silicone
  • Chavinha da gaveta do SIM card
  • Guia do usuário
Design e conectividade

Se você entrar em uma loja e ver o G41 ao lado do G31 terá dificuldade em saber qual é o celular que você está buscando. A impressão que temos é que a Motorola usou a mesma carcaça nos dois modelos. No entanto, não chegam a ser completamente iguais, já que o G41 é mais fino e ligeiramente mais leve.

O design traseiro é idêntico com as três câmeras alinhadas verticalmente em bloco levemente saltado que traz um flash em LED. A diferença é que no G31 há escrito 50 MP, enquanto no G41 há menção à sua câmera de 48 MP. Outro diferencial está nas cores: o modelo que chegou posteriormente ao nosso mercado é vendido nas opções azul escuro e champagne, diferente do outro em azul claro e grafite.

A parte frontal é a mesma nos dois com entalhe em furo e borda inferior larga. O leitor biométrico agora está integrado ao botão de energia na lateral direita; ele funciona bem com um toque rápido do dedo. A Motorola ainda continua insistindo em botão dedicado para o Google Assistente, que fica localizado logo acima da tecla de volume.

O corpo do Moto G41 é feito de plástico liso com laterais mais planas que passam uma boa pegada. A gaveta está localizada à esquerda e permite usar dois chips ou abrir mão do segundo para ampliar o armazenamento. No topo há entrada para fones de ouvido e um microfone; enquanto na parte inferior há um segundo microfone, entrada USB-C e alto-falante.

Na parte de conectividade temos de diferencial para o Moto G41 apenas o suporte a NFC. Demais tecnologias são as mesmas do G31, incluindo Wi-Fi AC para redes 5 GHz, Bluetooth 5.0 e rádio FM. A conectividade 5G poderia ser um extra bacana, mas ficou de fora deste modelo.

Tela e som

O Moto G41 herda a tela do seu irmão e aqui temos um painel OLED de 6,4 polegadas com resolução Full HD e taxa de atualização de 60 Hz. O nível de brilho é muito bom para a categoria, graças ao painel de boa qualidade adotado pela Motorola, diferente dos intermediários da marca com tela LCD que entregam brilho fraco.

No geral, é uma tela com boas cores e amplo ângulo de visão que vai agradar a maioria. O que pode decepcionar alguns é a falta de uma taxa de atualização mais elevada para melhor fluidez do sistema e jogos, algo já comum em celulares intermediários mais acessíveis.

A parte sonora é que poderia ter recebido maior atenção da fabricante. Há apenas uma saída de som e isso limita a experiência multimídia com áudio apenas mono. Não apenas isso, mas a potência sonora é inferior à média do segmento e carece de reprodução de médios, o que sacrifica os vocais em músicas. Pelo menos os graves e médios estão bem equilibrados.

Ele vem com fone de ouvido na caixa, aquele modelo mais simples da Motorola com corpo todo em plástico rígido. Não é dos melhores, mas ainda é bacana ver que a fabricante continua mandando o acessório de brinde.

Desempenho

Outro ponto em que o Moto G41 e G31 têm em comum é na plataforma Helio G85 aliada a 4 GB de RAM. Nenhum dos dois empolga no desempenho multitarefas, mas o G41 foi um pouco mais rápido em nosso teste de velocidade, apesar de ainda recarregar boa parte dos aplicativos abertos em segundo plano.


Em benchmarks tivemos uma baita surpresa ao ver que o G41 foi mais lento em alguns testes, especialmente no AnTuTu ao ficar 70 mil pontos abaixo do seu irmão com mesmo hardware.

Será que isso também afeta os jogos? Bem, o Moto G41 conseguiu rodar Call of Duty com boa fluidez na qualidade gráfica média e PUBG foi bem na opção HD. Jogos mais casuais rodam suave e quem sabe uma tela de 90 Hz não poderia fazer alguns deles chegarem a 90 fps?

Bateria

Parece que o software do G41 também não favorece a bateria e mesmo que tenha os mesmos 5.000 mAh do G31, acabou rendendo menos em nosso teste padronizado e chegou a entregar autonomia 15% inferior.


A evolução fica por conta do carregador que vem com o aparelho e entrega no máximo 33W de potência. Isso ajudou bastante a acelerar o tempo de recarga que agora é de no máximo 1 hora e 12 minutos, sendo metade do que temos no Moto G31.


Pequenas cargas também ficaram mais ágeis e com apenas 15 minutos na tomada temos 29% para torrar. Com 30 minutos de recarga terá pouco mais da metade da bateria pronta para o uso, o que rende 12 horas de autonomia.

Câmera

O que muda no conjunto fotográfico do Moto G41? Ele tem câmera principal com resolução inferior, sendo 48 MP, mas possui lente com maior abertura e traz estabilização óptica. As demais do conjunto são as mesmas do G31 e isso inclui uma ultra-wide de 8 MP e uma dedicada para macros com apenas 2 MP.

A câmera do Moto G41 é boa para fotografar de dia tanto com a principal quanto com a ultra-wide. É um aparelho que pode não registrar as imagens mais nítidas, mas entrega boas cores sem exagerar no contraste e não sofre em fotos contra-luz.

Principal | Ultra-wide



Também captura boas imagens ao entardecer e não sofre tanto ao cair da noite. Uma limitação fica para o modo noturno que está disponível apenas com a principal. Então usar a lente mais ampla em locais escuros será complicado.

Macro


A macro é básica e registra fotos apenas decentes devido à baixa resolução. A falta de foco automático também deixa seu uso mais restrito. Não há uma câmera totalmente dedicada para desfoque de cenários e aqui você dependerá exclusivamente do software usa a ultra-wide e erra com frequência no efeito, exigindo que você registre várias fotos até conseguir uma com efeito legal.

Desfoque




A câmera frontal acerta nas cores e tem bom HDR sem sofrer com fundo estourado. Selfies noturnas não chegam a ser um problema, desde que tenha uma fonte de luz por perto ou use o modo flash do celular. O efeito retrato apresenta menos falhas no desfoque comparado à câmera traseira.

Selfies



A filmadora grava a no máximo Full HD e tem qualidade decente com boa estabilização e foco não muito lento. A frontal apresenta vídeos com qualidade inferior, por mais que grave na mesma resolução. A captura de áudio é estéreo com som um pouco baixo e abafado.

Software

O Moto G41 é mais um da Motorola que ainda está preso ao Android 11 mesmo com o Google já trabalhando no Android 13 que será liberado em breve para a linha Pixel. A empresa promete que o G41 será atualizado logo mais para o Android 12, mas não garante que veremos outras atualizações além dessa.

A interface e recursos são os mesmos de outros da marca e isso inclui as poucas opções de customização da interface e os gestos tradicionais para acessar rapidamente a câmera ou ligar a lanterna sacudindo o celular. Um extra bacana é que ao tocar duas vezes no leitor biométrico terá acesso a um menu flutuante que pode ser customizado com seus apps favoritos.

O Android pouco modificado da Motorola responde bem e temos uma interface ágil que seria bastante beneficiada com uma tela de 90 Hz. Pena que a Motorola decidiu economizar neste ponto.

Rivais

Esperava mais do Moto G41? Quais seriam os seus maiores rivais atualmente? Podemos comparar com o Galaxy M32 da Samsung, um intermediário acessível na mesma faixa de preço que traz tela AMOLED de 90 Hz para fluidez superior. O da Samsung ganha em desempenho, bateria e tem melhores câmeras.

Da Xiaomi temos o Redmi Note 11 que também vem com tela AMOLED de 90 Hz e traz de diferencial som estéreo. Sua bateria dura mais e ainda recarrega mais rápido, enquanto o conjunto de câmeras faz um bom trabalho.

Pontos fortes e fracos

Pontos fortes

  • Brilho forte de tela
  • Boa bateria
  • Não demora para carregar
  • Boas câmera principal e de selfie

Pontos fracos

  • Tela de apenas 60 Hz
  • Som mono razoável
  • Desempenho abaixo da média
  • Software desatualizado
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

Há opção mais interessantes, até mesmo da própria Motorola

Embalagem e características

Embalagem traz capinha de proteção e fone de ouvido

Comodidade

Moto G41 não é tão grande, porém é escorregadio, mas vem com capinha na caixa

Facilidade de uso

É o mesmo Android simples com boa fluidez

Multimídia

Tela tem bom nível de brilho, mas som mono poderia ser melhor

Votação Geral

O Moto G41 fará sentido quando custar quase o mesmo do G31

Video

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Motorola Moto G41