» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
688

Multilaser G Max 2

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

A Multilaser trouxe recentemente ao mercado um novo celular básico que aposta em duas configurações diferentes para hardware e software. A versão que testamos é a mais completa com 4 GB de RAM, 128 GB de armazenamento e Android 11. Diferente do mais barato que vem com metade da memória e versão Go Edition do sistema operacional. Será que vale a pena o novo básico da Multilaser diante das opções da Samsung e Motorola?

Acessórios

O modelo que recebemos veio em caixa grande com alguns extras não disponíveis na versão padrão. Você recebe os seguintes acessórios, além do celular:

  • Carregador de 10W
  • Cabo USB no padrão micro
  • Capinha de silicone
  • Guia do usuário
Design e conectividade

O design do G Max 2 não chama a atenção. Ele parece ser mais um produto chinês com módulo de câmera que lembra o de outros aparelhos. A parte curiosa é a traseira removível, algo praticamente extinto nos dias atuais. Isso permite ter acesso aos slots dos chips e microSD; e aqui vem o primeiro ponto curioso: apenas uma entrada para nano SIM, enquanto a outra ainda adota o antigo formato micro.

O acabamento é simples e a tampa de plástico é fina e apresenta certa fragilidade. Pelo menos você poderá comprar outra caso danifique a que vem com o aparelho, porém não há outras opções de cores caso você enjoe do tom preto. A bateria, infelizmente, não é removível, o que torna o diferencial de abrir a traseira meio inútil.

Há textura que melhora a pegada com o G Max 2 e a Multilaser ainda manda capinha e película na caixa. A parte frontal adota entalhe em formato de gota e as bordas não chegam a ser muito largas, estando dentro do que vemos no segmento.

Há leitor biométrico tradicional na traseira, que responde bem. Na parte inferior do celular encontramos uma antiga entrada microUSB, o seu único alto-falante e um microfone. No topo do G Max 2 há apenas a entrada para fones de ouvido. Na lateral direita encontramos o botão de energia e o de controle de volume.

Na parte de conectividade não há nada de impressionante no G Max 2. Ele não tem suporte a padrão Wi-Fi AC para redes 5 GHz e seu Bluetooth é de quarta geração. Esqueça NFC e sensores mais avançados, o básico da Multilaser deixa claro que é um celular de entrada.

Tela e som

O básico da Multilaser vem com tela de 6,5 polegadas com resolução HD+ e painel IPS LCD, basicamente a configuração padrão em celulares de entrada atualmente. O primeiro ponto negativo vai para o brilho máximo alcançado tanto no manual quanto no modo automático. Por ser baixo, pode atrapalhar usar o G Max 2 fora de casa em dias ensolarados, mas não fica atrás dos básicos da Motorola.

O contraste é decente a ponto de evitar cores lavadas. O painel tem apenas 60 Hz, o que ainda é padrão em celulares mais baratos, porém já é possível encontrar alguns modelos na faixa de preço do G Max 2 com tela de 90 Hz. A reprodução de cores tende para tom frio com branco azulado, mas você pode regular nas configurações de tela.

A parte sonora é mais decepcionante. Não apenas pelo fato de termos uma única saída de som que limita o áudio a mono, mas pelo fato de a potência sonora ser fraca. O som é tão baixo que fica até difícil perceber suas falhas. Um fone de ouvido é obrigatório com o G Max 2 e é uma pena que a Multilaser não envie nenhum na caixa.

Desempenho

O novo celular da Multilaser vem com a plataforma SC9863A da Unisoc. É um chip antigo com processador octa-core de no máximo 1,6 GHz e GPU PowerVR 8322. O que ajuda a salvar o desempenho desta nova versão do G Max 2 é o fato de ter 4 GB de RAM. Ele conseguiu segurar os apps abertos em nosso teste de velocidade, porém o hardware antigo demora para carregar o conteúdo, especialmente em jogos.

Ele também não empolga em benchmarks e isso já era esperado. No AnTuTu conseguimos menos de 90 mil pontos, o colocando no mesmo patamar de celulares mais antigos como o Galaxy A10 com Exynos 7884 ou o Redmi 9A com MediaTek Helio G25.


O G Max 2 é capaz de rodar jogos mais atuais, desde que opte pela qualidade gráfica mais baixa. No Call of Duty tivemos boa fluidez com tudo no mínimo e filtros desativados. No PUBG foi possível jogar na opção gráfica balanceada com detalhes no médio. Já jogos mais leves como Mario Kart e Asphalt 9 rodaram de boa na configuração padrão.

Bateria

O G Max 2 vem equipado com bateria de 4.000 mAh e conseguiu entregar boa autonomia em nossos testes. Ele chegou a quase bater 20 horas de uso moderado, o que garante passar o dia inteiro longe de tomadas.


O carregador que vem com o aparelho entrega no máximo 10W e isso faz com que demore mais de 2 horas para ir de 0 a 100%. Pode parecer muito, mas ainda é comum ver celulares de entrada levando 3 horas ou mais para carregar.


Só faltou um carregamento rápido para agilizar pequenas cargas. Com 15 minutos na tomada ele recupera apenas 14% e chega a 28% em meia hora, o que mostra que seu carregamento é linear.

Câmeras

E as câmeras? Celular de entrada normalmente peca neste ponto e a Multilaser nunca se esforçou na parte fotográfica dos seus aparelhos. O G Max 2 vem com três sensores na traseira, sendo o principal de 13 MP acompanhado de dois de 2 MP para macros e desfoque de cenários. Na parte frontal há uma câmera de 5 MP para selfies.

A câmera principal faz o básico e até registra fotos decentes em situações favoráveis de luz, mas entrega qualidade de celular chinês de marcas menos convencionais. As cores não têm vida, falta nitidez e o contraste desregulado mata os detalhes das sombras. Pelo menos há modo HDR que ajuda a minimizar estes problemas, mas nem sempre funciona como deveria.

Normal | HDR ativado



Ao cair da noite a qualidade acaba indo junto. A nitidez é ainda mais comprometida e as fotos saem bastante escuras. A boa notícia é que há modo noturno que prolonga a exposição para mais luz entrar no sensor, mas em troca temos mais ruídos visíveis e as falhas nas texturas ficam mais evidentes. Não tem como negar que o G Max 2 não foi feito para fotografar à noite.

Noturno



A macro também sofre com baixa nitidez, cores apagadas e apresenta ruídos mesmo em fotos tiradas em locais claros. A de desfoque falha em cenários mais complexos e ainda desativa o HDR, o que compromete o balanço de brilho e cores deixando o céu estourado.

Macro



Desfoque



A frontal é capaz de registrar selfies decentes de dia, mas sem muita nitidez diante do sensor de baixa resolução. Já em locais escuros temos selfies ainda piores com fotos borradas e granuladas.

Selfies



A filmadora é capaz de gravar a no máximo Full HD com a traseira e apenas HD com a frontal. A qualidade dos vídeos é fraca para a categoria e não há estabilização para lidar com os tremidos. O foco também não é dos mais ágeis e em alguns momentos pode se negar a focar onde você deseja. A captura de áudio é mono e de péssima qualidade.

Software

O G Max 2 sai da caixa com Android 11 e no momento em que testamos o aparelho ainda estava com pacote de segurança de junho. Este é o tipo de celular voltado para o público que não se preocupa com atualizações, então não espere ver o Android 12.

A interface é básica e lembra o Android pouco modificado da Motorola. A diferença é que os ícones são quadrados e não há um app que centralize os extras. Aliás, a Multilaser nem se preocupa com isso e oferece uma experiência praticamente essencial do Android.

Há modo escuro que muda a cor do sistema e dos aplicativos compatíveis. Os apps que vêm pré-instalados são os tradicionais do Google. Por ser algo tão simples e sem modificações, esperávamos uma fluidez melhor. O problema não chega nem a ser engasgos nas animações, mas sim um atraso na resposta do sistema que nem sempre responde ao primeiro toque.

Rivais

Como deu para perceber, o G Max 2 é um celular básico que atrai pela grande quantidade de memória, mas decepciona em vários pontos. O que há de mais interessante na sua faixa de preço? Da Samsung temos o Galaxy M12 com tela de 90 Hz e melhor qualidade sonora. Ele perde por pouco em desempenho multitarefas, mas vence em jogos e tem autonomia de bateria muito superior. O M12 é melhor em câmeras e ainda tem uma dedicada com lente ultra-wide para fotos mais amplas.

Da Motorola há o Moto G20. Ele também traz tela de 90 Hz e melhor qualidade sonora. Seu hardware também é da Unisoc, porém um chip mais avançado que entrega melhor desempenho. Sua bateria dura mais, mas em contrapartida leva o dobro do tempo para recarregar. As câmeras do G20 são melhores e há ultra-wide para fotos mais amplas.

O realme C11 pode ser outra boa alternativa. Ele também tem tela de 60 Hz, mas com qualidade de imagem um pouco superior. A qualidade sonora é mais rica no C11, por mais que tenha também apenas um alto-falante. O desempenho é seu ponto decepcionante, especialmente no multitarefas, mas o software traz mais recursos e a bateria dura mais. Ele só tem uma câmera traseira que entrega qualidade razoável, mas se destaca por ter melhor frontal para selfies.

Pontos forte e fracos

Pontos fortes

  • Bateria dura o dia todo
  • Tempo de recarga abaixo da média

Pontos fracos

  • Slot para micro SIM
  • Porta microUSB
  • Faltou tela de 90 Hz
  • Som é muito baixo
  • Desempenho não empolga
  • Câmeras fracas
  • Filmadora grava som mono abafado
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

Seu custo-benefício é ruim por R$ 1.200, mas pode ser interessante por menos de R$ 800

Embalagem e características

Aparelho vem com capinha de silicone, mas nada de fone de ouvido

Comodidade

Traseira tem textura que ajuda o celular a escorregar menos

Facilidade de uso

Android limpo da Multilaser é fácil de uso, mas atraso na resposta de toque irrita um pouco

Multimídia

Tela é apenas decente, enquanto som é decepcionante

Votação Geral

O Multilaser G Max 2 é um celular muito básico que não compete com rivais da Samsung e Motorola

Video

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Multilaser G Max 2