» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
1.749

Samsung Galaxy A51

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

O Galaxy A50 foi um dos melhores intermediários da Samsung em 2019. Tudo bem, o seu preço era exagerado, mas depois de meses no mercado começou a apresentar um ótimo custo-benefício. Agora no começo de 2020 a sul-coreana trouxe o seu sucessor com preço ainda mais salgado. Será que vale pagar mais de R$ 2.000 em celular de plástico com poucas novidades? Você vai conferir agora com o TudoCelular tudo o que o A51 tem a oferecer e se ele é uma atualização justificável ou apenas mais um lançamento desnecessário da Samsung.

Acessórios

Antes de conferirmos tudo o que o A51 tem a oferecer, vamos primeiro dar uma olhada no que vem na caixa. O conteúdo é basicamente o que temos do anterior: 

  • Carregador com 15W de potência
  • Cabo USB no padrão C
  • Fone de ouvido básico
  • Chave para abrir gaveta do cartão SIM/microSD
  • Guia do usuário
  • Capinha de silicone transparente
Design e construção

Câmera no estilo cooktop é a nova tendência. Se você torceu o nariz para os iPhones lançados ano passado, então vai sofrer para encontrar um celular em 2020 que não tenha o mesmo design de gosto duvidoso.

Samsung abandonou o design em linha vertical no canto superior esquerdo para incorporar um bloco mais largo que abriga as câmeras organizadas em formato de L, além do flash em LED. As cores continuam sendo preta, branca e azul, mas os tons são diferentes, além do efeito holográfico que vimos no A30s.

Se você estava esperando por um intermediário com acabamento mais caprichado desta vez, esqueça. O A51 continua com corpo todo feito de plástico e sua tela mantém a proteção Gorilla Glass 3 de antes. O leitor biométrico continua na tela e não foi aprimorado desde a primeira geração.

Na parte frontal sai o entalhe de gota e entra o furo na tela. Ele é menor do que vimos em outros celulares intermediários e fica localizado bem na parte central como no Note 10 e S20. As bordas foram reduzidas, especialmente a inferior. Isso permitiu Samsung aumentar a tela sem deixar o aparelho maior.

Tela e som

O A51 traz painel Super AMOLED de ótima qualidade com brilho alto e cores vibrantes. Usar o celular fora de casa não será complicado, mesmo que o sol bata diretamente no vidro. É sempre bom manter o brilho no automático porque o A51 consegue força mais a luminosidade para reduzir os reflexos.

Há dois perfis de calibração: natural e vívido. O primeiro entrega uma calibração com cores menos exageradas, enquanto o segundo permite ajustar a temperatura das cores. 

O alto-falante está posicionado na parte inferior do dispositivo e continua fazendo um bom trabalho nesta geração. Não é tão alto quanto era no Galaxy A50, mas as características do som são semelhantes. Isso inclui um padrão de áudio mais encorpado, sem agudos exagerados para evitar distorçam quando no máximo.

Samsung continua economizando no fone de ouvido. O modelo é das antigas e entrega um som decente, mas recomendamos usar um acessório de melhor qualidade para explorar todo o potencial sonoro que o A51 pode entregar. Ele é uma boa opção para ouvir músicas.

Desempenho

O A51 vem equipado com a plataforma Exynos 9611, a mesma presente no Galaxy A50s. O que muda para o Exynos 9610 do A50? O processador é um pouco mais rápido e o chip que cuida do processamento de imagens funciona melhor com o otimizador de cenas da câmera. Ou seja, não espere um ganho significo em desempenho.

Em nosso teste de velocidade vimos até um aumento no tempo de abertura de apps, o que não era esperado. Parte da culpa está na falta de otimização do gerenciamento de RAM, o que pode ser corrigido em atualização futura.


Em benchmarks tivemos um pequeno ganho nas pontuações com média de 10 mil pontos a mais no AnTuTu. Em jogos o desempenho é o mesmo já que a GPU e a resolução de tela são praticamente as mesmas. Ou seja, o A51 roda todos os jogos disponíveis para Android, mas alguns como PUBG ou Call of Dutty não será possível jogar na qualidade gráfica máxima.

Câmera

O A51 é mais um entre dezenas de intermediários que vêm com câmera de 48 MP que combina quatro pixels em um só. Câmera macro também marcou presença em vários lançamentos de 2019, e Samsung também decidiu apostar neste tipo de lente. De resto temos uma ultra-wide que recebeu um novo sensor e uma quarta câmera para medir profundidade de cenários.

É um conjunto bastante completo que garante ótimas fotos. O A50 já mandava bem em câmera e o A51 é ainda melhor. Há bom equilíbrio entre cores e contraste, sem deixar as fotos exageradas. Porém, já vimos celulares com câmera de 48 MP entregarem melhores resultados. Fica claro que o Exynos 9611 é o fator limitante aqui e com um hardware mais potente teríamos fotos ainda melhores.

Principal | Ultra-wide




A câmera grande-angular é uma atualização significativa daquela presente no A50 e oferece nitidez e detalhes aprimorados. A faixa dinâmica também está substancialmente melhor, sendo uma das melhores câmeras entre os intermediários. Nada de céu estourado ou excesso de ruídos. Apenas notamos que ela satura mais as cores, especialmente os verdes.

A macro é outra que também surpreende. Vimos smartphones da Motorola e Xiaomi com este tipo de câmera ano passado, mas nenhum deles nos empolgou. No A51 o foco é fixo, ficando entre 3 e 5 cm de distância, mas evita perder nitidez. O nível de detalhes impressiona para um aparelho intermediário e para aqueles que curtem fotografar detalhes de plantas e animais ficarão satisfeitos com os resultados.

Macro




O A51 também possui inteligência artificial integrada à câmera para identificar cenários e dá aquele tapa nas fotos. Muitas vezes ela faz só aumentar o contraste para dar a impressão de uma foto com cores mais vívidas. Sinceramente, nem vale a pena usar.

Infelizmente, nem tudo é perfeito na câmera do A51. Como é comum de celulares intermediários, fotos noturnas são o seu ponto fraco. A nitidez é sacrificada e há excesso de ruídos. O bom balanço de cores que vimos nas fotos diurnas é completamente perdido aqui. E com a ultra-wide os resultados são ainda piores.

Normal | Modo noturno



Há modo noturno para tentar salvar sua foto, que ajuda a recuperar nitidez e salvar detalhes das sombras, mas não ajuda muito com as cores. Este recurso também é útil em locais fechados ao reduzir os ruídos e recuperar nitidez.

O A50 se destaca com selfies e modo retrato e o A51 repete a fórmula. Sua câmera frontal também comprime quatro pixels em um para capturar mais detalhes da sua pele. As selfies são muito boas e o modo retrato funciona bem. À noite a qualidade cai, mas ainda está no nível dos rivais.

Selfies e modo retrato



O maior avanço fica para a filmadora. Enquanto o A50 grava vídeos apenas em Full HD, o A51 grava em 4K com a traseira, a ultra-wide e até a frontal. Curiosamente, ele não permite filmar em 1080p a 60 fps. A qualidade dos vídeos está dentro do esperado para um aparelho deste preço, mas o destaque fica para o sistema de estabilização que realmente acaba com os tremidos. O ponto negativo é não funcionar na resolução 4K. Já a captura de áudio é muito boa.

Bateria

Samsung manteve o mesmo tamanho de bateria de antes. Será que os 4.000 mAh rendem o mesmo no A51? A autonomia é praticamente idêntica. O mais recente rendeu alguns minutos a menos em nosso teste, mas isso acontece por causa da tela um pouco maior.


Em uso moderado é possível sair cedo de casa e voltar no final da noite com um pouco de carga. Para quem não larga o celular terá que fazer uma segunda carga no final do dia ou então ativar o tema escuro para ajudar a economizar bateria.


O carregador de 10W faz com que a bateria demore mais de 1 hora e meia para recarregar. É um tempo até aceitável se levarmos em consideração que têm muitos intermediários recentes que ainda passam mais de 2 horas na tomada.

Software

O Galaxy A51 é o primeiro celular da Samsung a chegar ao mercado nacional rodando Android 10 e a One UI 2.0. Como é comum ver Samsung liberando uma atualização do Android para seus intermediários, então é praticamente certo ver o Android 11 no A51 no próximo ano.

Já a nova One UI não traz tantas mudanças. Esta versão 2.0 tem maior foco na usabilidade, com melhor suporte a gestos de navegação e animações mais fluidas. Porém, um detalhe interessante é ver o recurso Tela Edge aqui, já que Samsung normalmente só adota estes atalhos em celulares com tela curva.

A funcionalidade é a mesma vista em flagships da marca. Você pode puxar um menu lateral que traz atalhos para aplicativos, facilita executar ações, e apresenta algumas ferramentas, tudo a apenas um toque de distância. Você pode customizar os atalhos e o lado da tela que aparecerá o menu deslizante.

E a TV Digital em alta resolução também está presente aqui.

Rivais

O A51 chegou caro e ainda vai demorar para o seu preço cair. Quais opções você pode encontrar por valor mais justo? Se você quer melhor desempenho podemos indicar o Mi 9T e o Redmi Note 8 Pro da Xiaomi, ou até mesmo o One Zoom da Motorola. Eles vêm com hardware mais potente que superam em velocidade e fluidez em jogos.

O 9T também traz câmera de 48 MP e entrega melhor qualidade no geral que o A51, mas não tem macro dedicada. E se você sentiu falta de uma câmera teleobjetiva no modelo da Samsung, a melhor alternativa seria o One Zoom que permite fotografar o que está distante com muito mais qualidade.

Se precisa de mais bateria, então qualquer um da Xiaomi que citamos oferece autonomia superior, mas apenas o Mi 9T recarrega mais rápido.

Pontos fortes e fracos

Pontos fortes

  • Tela AMOLED de qualidade
  • Boa autonomia de bateria
  • Ótimo conjunto de câmeras
  • Filmadora com boa estabilidade

Pontos fracos

  • Desempenho poderia ser melhor
  • Merecia um chipset mais potente
  • Tempo de recarga
  • Preço muito salgado no lançamento
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

O preço alto de lançamento torna o A51 um má compra. Vale mais a pena investir no A50 se você não se importa tanto com a filmadora.

Embalagem e características

Embalagem é simples, mas traz fone de ouvido e capinha de silicone.

Comodidade

Apesar de não ter traseira em vidro, o acabamento em plástico liso torna o A51 escorregadio. Pelo menos temos uma capinha para protegê-lo.

Facilidade de uso

O A51 vem com a mesma One UI presente nos celulares mais caros da Samsung. A interface é organizada, mas peca em fluidez.

Multimídia

Galaxy A51 tem boa tela, mas pelo preço deveria oferecer brilho mais forte. O som é bom, mas inferior a rivais.

Votação Geral

O Galaxy A51 trouxe de grande avanço apenas o novo conjunto de câmeras comparado ao A50.

Video

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Samsung Galaxy A51