» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
1.979

Samsung Galaxy A52

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

O Galaxy A52 tem tudo para ser o intermediário da Samsung de maior sucesso em 2021, se ele mantiver a fama do seu antecessor. A Samsung está tão ciente disso que decidiu trazer dois modelos para o mercado nacional e temos aqui o mais simples que não vem com suporte a internet 5G e provavelmente será o mais buscado pelos brasileiros por ser o mais barato.

Acessórios

O Galaxy A52 vem em embalagem similar à do A72. Ela é na cor branca feita de papel cartão. Além do celular você recebe:

  • Carregador de 15W
  • Cabo USB no padrão C nas duas pontas
  • Manuais
  • Chavinha para abrir gaveta do cartão SIM e microSD
Design e construção

O A52 segue o mesmo design do A32 e A72. A versão 4G e 5G são idênticas por fora, mas o modelo mais barato vem com oferta mais generosa de cores. Ambos podem ser encontrados no mercado nacional nas cores preta ou violeta, enquanto o A52 4G também está disponível nas cores azul ou branca.

O novo intermediário coreano acabou ganhando medidas e peso, mas sem ter aumento de tela. Pelo menos há uma explicação para isso: a Samsung foi mais generosa com a bateria. Já com relação ao design tivemos mudanças bem-vindas com o bloco de câmeras sendo integrado à peça de plástico fosco para dar uma aparência mais sutil e elegante.

Por mais que não tenhamos um acabamento premium, o Galaxy A52 passa a sensação de produto de qualidade. A certificação IP67 garante que ele sobreviva por até 30 minutos em água doce, desde que não passe de 1 metro de profundidade. É um extra bacana e extremamente raro de se ver em intermediários.

Outra mudança está no alto-falante de chamadas que agora serve como canal secundário para efeito estéreo. Na parte superior do aparelho encontramos uma gaveta híbrida que permite usar dois chips ou um chip e um cartão microSD. Na lateral direita há o botão de energia e o de volume, enquanto na parte inferior temos a entrada USB-C, microfone e o segundo alto-falante. O leitor biométrico segue na tela e responde bem.

Tela e som

A parte frontal não teve mudanças, exceto pelo pequeno aumento nas bordas. A câmera de selfies continua centralizada no topo da tela, enquanto o painel Super AMOLED foi trocado por um novo de 90 Hz que tem brilho mais forte que o da geração anterior. A calibração de cores acerta em não saturar demais a imagem, além de trazer o novo controle para redução gradual de luz azul, o que evitará fadiga visual no final do dia.

É uma pena que uma tela com brilho tão alto não tenha suporte a HDR para tirar melhor proveito de filmes e séries da Netflix. Já a velocidade do painel pode ser ajustada entre 60 e 90 Hz, sem uma opção automática que alterne entre os dois modos a depender da demanda – o que ajudaria a economizar bateria.

Como dito antes, o Galaxy A52 possui duas saídas de áudio para entregar som estéreo. A potência é boa, assim como o equilíbrio sonoro entre graves, médios e agudos. Ele possui suporte a Dolby Atmos que permite aprimorar o efeito surround, mas não espere muito dos pequenos alto-falantes.

É possível escolher entre os perfis Filme, Música e Voz, ou deixar no modo automático para que ele identifique o tipo de conteúdo e faça a equalização correta. Também há uma opção focada em jogos que permite realçar pequenos efeitos sonoros como os passos de um inimigo que se aproxima em um game de tiro, por exemplo.

Desempenho

Muitos vão ficar felizes com a evolução no hardware. O Exynos 9611 deu lugar ao Snapdragon 720G e com isso tivemos um ganho em desempenho mesmo com o software mal otimizado. Há um atraso no tempo de resposta do sensor de toque na tela e isso atrapalhou o nosso teste de velocidade focado no multitarefas. Se a Samsung arrumar este problema em uma futura atualização, podemos esperar um salto considerável entre as duas gerações.


Este mesmo problema afeta o Galaxy A72 e assim como no modelo mais caro, não chega a impactar nos testes de benchmarks. No caso do AnTuTu chegamos a ter uma diferença de 100 mil pontos do A51 para o A52, o que resulta em ganho de mais de 60%.

A GPU do A52 é igual à do A72 e como ambos possuem a mesma resolução de tela temos exatamente o mesmo desempenho nos dois. PUBG rodou liso na configuração HD, assim como Asphalt 9 que não apresentou engasgos. Mortal Kombat e Subway Surfers fazem uso da tela de 90 Hz para entregar fluidez a 90 fps, mas nem todos os jogos chegam a isso, como é o caso de Call of Duty que ficou limitado a 60 fps. De qualquer modo, o A52 é um celular muito melhor para jogar que o seu antecessor.

Bateria

A bateria cresceu apenas 500 mAh, o que pode parecer pouco, mas foi suficiente para entregar um aumento de 60% na autonomia em nosso teste padronizado. Isso mostra que o Snapdragon 720G tem melhor eficiência energética comparado ao hardware da Samsung.


O Galaxy A52 fica entre os melhores em bateria e entrega autonomia para mais de um dia, mesmo que você use o celular o tempo inteiro com a tela em 90 Hz.


O tempo de recarga não evoluiu, mas também não ficou mais lento com o aumento de bateria. Apesar de o A52 ter suporte a carregador de no máximo 25W, a Samsung acabou economizando e envia um de 15W na caixa. Com 15 minutos na tomada terá 16% de bateria recuperados, chegando a um terço da carga máxima com meia hora.

Câmeras

O conjunto fotográfico do A52 é basicamente o mesmo do M51. A câmera principal traz sensor de 64 MP, a secundária tem 12 MP com lente ultra-wide, a terciária é dedicada para macros e a última para desfoque de cenários, ambas com 5 MP. Comparado ao conjunto do A51, apenas a principal apresenta evolução.

O Galaxy A52 registra boas fotos com imagens detalhadas e cores vívidas sem saturação exagerada. O HDR se esforça para recuperar detalhes perdidos nas sombras, mas não espere milagres desse tipo em um celular intermediário.

Principal | Ultra-wide




A ultra-wide sofre um pouco com perda de nitidez nos cantos das fotos e apresenta uma saturação mais suave comparada à principal. Fotografar à noite não chega a ser um desafio para o A52, mas o software tenta reduzir ao máximo os ruídos e isso acaba deixando as fotos escuras. Pelo menos há modo noturno que reverte o problema sem comprometer a qualidade das fotos.

Normal | Noturno



Uma diferença para o A72 está na ausência de câmera teleobjetiva. Com o A52 você tem apenas zoom digital, que até resulta em boas fotos se não passar de 2x. Além disso terá imagens borradas e com grande perda de detalhes.

Macro


Desfoque


A macro consegue capturar pequenos detalhes que a principal deixaria passar; só poderia ter foco automático para ficar perfeita. A de desfoque funciona bem com pessoas e objetos, sendo possível selecionar a intensidade do efeito.

Selfies



A câmera frontal possui dois modos e registra selfies com resoluções diferentes em cada. Na opção wide temos uma imagem com nitidez inferior devido ao upscaling feito na foto. No geral, o A52 registra imagens com poucos ruídos e HDR eficiente, apesar do tom de pele apresentar inconsistências. O modo retrato funciona bem e apresenta poucos erros.

A filmadora do A52 grava em 4K com a câmera principal, ultra-wide e frontal. A qualidade da filmagem é muito boa com muitos detalhes, cores sem exageros e poucos ruídos. Há estabilização para redução de tremidos, mas está disponível apenas na resolução Full HD. A captura de áudio é de qualidade e sofre pouco com ruído de vento.

Software

O Galaxy A52 chega ao mercado com Android 11 e interface One UI 3.1. Ele faz parte do seleto grupo de celulares da Samsung que receberá três atualizações do sistema, além de quatro anos de updates de segurança.

O software do A52 responde bem, apesar do atraso no tempo de resposta do sensor de toques. Isso só afeta o multitarefas e se você alternar rapidamente entre vários aplicativos. No uso geral, o intermediário coreano responde bem e entrega boa fluidez com as animações fluindo a 90 fps.

Todos os recursos presentes no A72 e demais lançamentos recentes da marca estão aqui, como o Tela Edge ou o Music Share. São recursos que surgiram em modelos top de linha da marca e que foram levados para celulares mais acessíveis. O que o Galaxy A52 entrega é uma experiência completa com diversos extras para ir além do que o Android oferece.

Rivais

O Galaxy A52 é um bom celular, mas seu preço de lançamento está além do orçamento de muitos que buscam um intermediário com bom custo-benefício. Uma boa alternativa seria o Realme 7 Pro que custa bem menos e entrega melhor desempenho, boa bateria e câmeras que não ficam atrás do A52.

O Mi 11 Lite também seria uma boa alternativa, apesar do desempenho não empolgar e a bateria durar menos. Talvez a maior ameaça ao A52 venha da própria Samsung com o S20 FE custando menos e entregando um conjunto superior.

Pontos fortes e fracos

Pontos fortes:

  • Bela tela AMOLED com brilho alto e 90 Hz
  • Som estéreo de qualidade
  • Ótima duração de bateria
  • Boas câmeras

Pontos fracos:

  • Desempenho multitarefas poderia ser melhor
  • Poderia vir com carregador mais potente
  • Foco automático na macro seria bem-vindo
  • Preço muito salgado no lançamento
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

Preço salgado de lançamento torna seu custo-benefício complicado

Embalagem e características

Sem capinha e nem fone de ouvido na caixa, mas vem com película na tela

Comodidade

É um celular grande, mas o acabamento fosco o torna menos escorregadio

Facilidade de uso

É a mesma One UI de outros aparelhos da Samsung, mas falta otimização do software

Multimídia

Tela com brilho forte e som estéreo garantem boa experiência multimídia

Votação Geral

O Galaxy A52 é um bom celular, mas faltou gás no multitarefas

Video

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Samsung Galaxy A52