LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Xiaomi no Brasil: concorrentes criam dossiê sobre venda de celulares importados sem imposto

03 de dezembro de 2019 69

Na última semana, uma megaoperação da Secretaria Estadual da Fazenda e Planejamento de São Paulo (Sefaz-SP) apreendeu mais de 30 mil produtos da Xiaomi que seriam vendidos por meio do Mercado Livre, sem pagar impostos. Agora, empresas rivais da chinesa criaram um dossiê sobre as companhias que costumam realizar essa prática.

Em reportagem do portal UOL, o subcoordenador da Sefaz-SP, Vitor Manuel dos Santos Alves Junior, relata que as demais fabricantes reclamaram e entregaram um documento com informações sobre a venda de produtos com sonegação de impostos, o que faz os preços caírem pela metade em relação às operações oficiais da marca no país.

O funcionário não chegou a revelar quais foram as concorrentes, mas destacou que a investigação não inclui somente a Xiaomi. Contudo, a empresa é a que mais aparece entre os produtos com ocorrência de fraude.

“Nós queremos promover um ambiente de concorrência leal com as marcas. É prejudicial não só ao estado, mas a outros fabricantes que se instalaram e investiram aqui.”


Vitor Manuel dos Santos Alves Junior


Subcoordenador da Sefaz-SP

Origem do Paraguai

Ao longo dos quatro meses de investigações, o Sefaz descobriu que as mercadorias vinham do Paraguai – sem documentação – e eram comercializadas por meio de empresas de fachada – chamadas “noteiras”.

Esse método serviria como forma de “burlar” o sistema de marketplace, uma vez que deveria haver uma cobertura por nota fiscal para armazenar o produto no local.

DL é alvo

A Sefaz chegou a declarar, em comunicado oficial, que um dos alvos da operação teria sido a representante da Xiaomi no Brasil, ou seja, a DL Eletrônicos – sem mencioná-la diretamente. O logotipo da companhia chega a aparecer em algumas caixas entre os aparelhos apreendidos.

No entanto, a DL retornou ao UOL para afirmar que não possui conhecimento sobre o caso. Por outro lado, a Secretaria prefere manter os nomes de todos os alvos em sigilo.

Sites podem sofrer penalidades

Entre as consequências das investigações, estão punições para os sites que hospedam essas empresas que vendem nos chamados “marketplaces”. Segundo Alves Junior, a plataforma é responsável pelos produtos que são comercializados por ela – mesmo se for “vendido e entregue por” um terceiro.

E aí, qual é o seu palpite para a conclusão desse caso? Participe conosco!


69

Comentários

Xiaomi no Brasil: concorrentes criam dossiê sobre venda de celulares importados sem imposto

OnePlus 6 e Redmi Note 5 entram na lista dos 15 aparelhos mais radioativos

Huawei no Brasil fará diferença? Positivo fecha trimestre no vermelho

Samsung Galaxy J7 Pro ou Motorola Moto G5S Plus? Comparativo TudoCelular ajuda a escolher

Ranking TudoCelular: gráficos com todos os testes de desempenho e autonomia até novembro de 2019