LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Xiaomi Mi TV Stick: melhor alternativa a TV Box e Chromecast? | Análise / Review

23 de setembro de 2020 31

Quem deseja transformar sua TV em smart, seja porque ela não tem as funções ou já está antiga e perdeu suporte a aplicativos, poderia recorrer a dois tipos de produtos: o discreto Chromecast, que espelha conteúdo do celular para a tela, ou as várias opções de TV Box, de diversas marcas e que trazem sistemas operacionais mais robustos. Porém, e se juntar o melhor dos dois mundos? Essa é a ideia da Xiaomi com a Mi TV Stick, que desembarcou no Brasil no último mês.

A iniciativa não é nova, vale destacar. A Amazon já fez isso com o Fire Stick mas, até então, nenhuma marca havia embarcado o Android TV em um dongle com saída HDMI que pode ser encaixado na TV de forma discreta.

O TudoCelular recebeu o modelo para testes, e nessa análise você fica sabendo se vale a pena comprar o acessório que promete dar sobrevida a Smart TVs mais velhas ou transformar televisores comuns em inteligentes.

O que vem na caixa

A caixa do produto não traz muitas coisas, até porque o Mi TV Stick é um acessório bem simples. Conta com o próprio dongle, um cabo com saídas USB e USB-Mini, o controle remoto, uma fonte para tomada no padrão brasileiro e papelaria, como manual de instruções e certificados de garantia.

Construção

O Mi TV Stick é um dongle simples, que se assemelha a um pen drive, mas não é tão pequeno quanto um. E isso vale como alerta para quem tem televisores pequenos, de 20 polegadas, ou TVs monitores, cujas entradas estão localizadas na parte traseira ou inferior dos televisores, pois é possível que haja algum transtorno no encaixe.

Na TV onde fizemos a maior parte dos testes foi possível perceber esse detalhe. Ela está presa à parede e suas entradas estão todas alocadas na parte inferior da traseira. Ao colocar o Mi TV Stick na TV e seu cabo, eles ficaram cerca de 3 cm aparentes. Outro detalhe é que, por conta de as entradas USB e HDMI serem muito próximas, quase não foi possível encaixar o Mi TV Stick e o cabo. Porém, em TVs em que as entradas ficam posicionadas na traseira da tela de forma lateral, conectar o dispositivo será simples e sem transtorno, com ele ficando imperceptível.

O Mi TV Stick tem construção em plástico com aspecto brilhante na metade inferior e fosca na outra metade, com o logo da Xiaomi com aspecto brilhoso. Já o controle remoto, alimentado por duas pilhas AAA, é também construído em plástico, preto, mas com aspecto totalmente fosco. A maior parte das teclas, exceto as dedicadas para Netflix e Amazon Prime, são pretas, e o toque nas teclas é duro. No topo do controle estão os botões power e, logo abaixo, o Google Assistente.

Em seguida está um direcional e de seleção, feito por dois círculos, um dentro do outro. Na sequência, botões Multitarefa, Voltar e Home, que não seguem a ordem já normatizada do Android para celulares. Depois vêm os botões dedicados aos serviços de streaming e, por fim, as teclas de volume.

Instalação

O processo de instalação é simples. Basta conectar o Mi TV Stick à entrada HDMI e escolher se vai conectar o cabo à tomada ou ao próprio dongle, e o dispositivo inicia na tela de configurações. São poucos passos necessários, como definir idioma e região, e depois disso é possível configurar com o auxílio do celular ou diretamente na tela

Depois da configuração, o Mi TV Stick abre a tela inicial, com a configuração padrão do Android 9 para TVs. A primeira tela traz os principais apps em fileiras com miniaturas da tela, que podem ser alocados da forma que o usuário prefere e, na sequência, entram telas com sugestões de cada serviço de streaming que estiver instalado. É possível escolher a ordem com que essas sugestões aparecem, de quais serviços ou até mesmo remover as sugestões. Pouco acima está a área de pesquisa por voz, data e hora e configurações.

Um detalhe para quem escolher ligar o dongle à tomada. Ativando a opção para vincular controles, é possível utilizar apenas o do Mi TV Stick para desligar e religar o televisor, caso seu aparelho tenha suporte.

Usabilidade

Em conexões, o Mi TV Stick tem suporte a Wi-Fi em banda dupla (2,4 GHz e 5,0 GHz), mas o Bluetooth ainda é o 4.2. Destaque aqui para duas informações importantes: a Mi TV Stick roda Android 9 e tem 1GB de RAM e 8GB de armazenamento. É o mesmo, por exemplo, que a TV P8M, da TCL, que roda o sistema operacional do Google nativamente e já foi testada por aqui. A memória RAM não deve comprometer serviços de streaming no geral, como YouTube, Netflix, Amazon Prime Video e Globoplay, mas afetará a experiência em dois momentos: ao exibir os resultados da pesquisa do Google ao usar o assistente, e ao jogar.

Tentamos rodar Real Racing 3 na Mi TV Stick e a experiência foi desastrosa. O jogo demorou para carregar e travou, impossibilitando a experiência, mesmo utilizando um gamepad. A experiência fica um pouco melhor em Asphalt 8: Airbone, que pode ser jogado usando o próprio controle remoto do Mi TV Stick. No caso, é possível jogar, embora com baixa taxa de quadros e desempenho característico de um dispositivo com pouca memória RAM. Mesmo assim, nossa recomendação é: se você quiser jogar os títulos disponíveis na Google Play Store, utilize seu celular Android ou, se tiver um iPhone, na App Store.

A outra informação importante é que o Mi TV Stick reproduz conteúdo em Full HD, o que é suficiente na maior parte dos casos, como YouTube e outros serviços de streaming, mas torna inútil, por exemplo, assinar o plano da Netflix em 4K. Mas pensando em quem possui televisores antigos, lançados antes da chegada dos modelos 4K, e quer consumir conteúdo, a resolução tende a ser suficiente.

Outros bons recursos presentes aqui são o Chromecast e Google Assistente embutidos. Sobre o primeiro recurso, nada a acrescentar. O espelhamento de tela acontece de forma rápida e fluida com os apps suportados, que vão dos populares YouTube, Netflix e Amazon Prime a escolhas como NBA League Pass e Facebook Watch, que rodaram sem problemas.

Já o Google Assistente tem limitações, como não programar timer ou mesmo ligar o dispositivo, mas no geral consegue abrir apps, executar ações e com comandos de voz, e é reconhecido no Google Home para quem automatizou sua casa pelo assistente. Por contar com um botão dedicado ou acessar clicando no símbolo que está no canto superior esquerdo da tela, não é necessário dizer 'Ok, Google', bastando apenas falar o que deseja após pressionar o botão

Google Play

Por ser um dispositivo Android, o Mi TV Stick obviamente conta com Google Play. Mas não pense que é a mesma versão e com a mesma variedade de aplicativos da loja para celulares. Aqui o foco está em serviços de streaming e jogos, e mesmo assim faltam opções. O Globosat Play, renomeado recentemente para Canais Globo e que dá acesso aos canais a cabo do Grupo Globo, é uma das ausências notáveis, mesmo com a presença do Globoplay, Telecine Play, GE e Combate Play.

Nos jogos, a maior parte deles é oriunda dos celulares, e necessitam de um gamepad Bluetooth para serem executados.

Vale a pena?

Sem dúvidas, o Mi TV Stick representa um adeus definitivo ao Chromecast ou uma TV Box para quem deseja turbinar a TV com funções que ela não suportaria originalmente. Ao utilizar o Google TV como sistema operacional, ele se coloca um passo à frente do Amazon Fire Stick, pela variedade de aplicativos que a gigante de Mountain View permite baixar.

E isso acontece sem a necessidade de um dispositivo cabeado externo. Tudo fica mais limpo e discreto, como acontece no próprio Chromecast. Além disso, facilita a vida de usuários, que não precisarão mais usar o celular toda vez que precisarem trocar de conteúdo na sua TV, já que toda a interação é feita com o controle remoto.

Esse adeus custa oficialmente R$ 599, ou R$ 551 à vista na loja oficial da Xiaomi, e varejistas nacionais comercializam o produto com preços em torno de R$ 374. Além disso, o dispositivo pode ser encontrado em sites de importação por algo em torno de R$ 200, mas com os riscos envolvidos nesse tipo de operação e sem garantia da fabricante. Vale destacar que, no mercado europeu, a Mi TV Stick foi lançado por 39,99 euros, ou seja, R$ 242 em conversão direta.

Os preços de Chromecast (em torno de R$ 300) e outros TV Boxes, que não oferecem o mesmo que o Mi TV Stick estão próximos do modelo da Xiaomi. Assim, mesmo com valores maiores que os praticados internacionalmente, o dispositivo da gigante chinesa é uma opção com melhor custo-benefício que seus concorrentes diretos, e tende a ficar ainda melhor em promoções com a proximidade da Black Friday.

Pros e contras
Google Assistente embutidoChromecast embutidoPraticidade Tamanho compactoMobilidade: pode ser usado em qualquer dispositivo com HDMIExibe conteúdo sem precisar do celular
Preço oficial no BrasilGrande demais para TVs menores e monitoresPoucos Apps no Google PlayNão tem resolução 4KControle não desliga a TV
Ofertas

31

Comentários

Xiaomi Mi TV Stick: melhor alternativa a TV Box e Chromecast? | Análise / Review

Moto G9 Plus vs Moto G8 Plus: uma nova geração realmente evolui? | Comparativo

Galaxy A20s vs A21s: vale trocar ou ir direto no mais novo? | Comparativo

Galaxy M31 vs LG K61: qual o melhor celular intermediário barato? | Comparativo

Galaxy M31 vs A51: você tem certeza que deve levar o celular mais novo? | Comparativo