LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Funcionários da LG e de fornecedores entram em greve após empresa fechar fábrica em SP

13 de abril de 2021 35

Atualização (13/04/21) - JB

Funcionários da fábrica da LG em Taubaté (SP) iniciaram uma greve por tempo indeterminado nesta segunda-feira (12). De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região (Sindmetau), o movimento foi aprovado em assembleia geral após a rejeição de uma proposta de indenização pelo encerramento da produção na cidade.

Os trabalhadores não aceitaram o plano de desligamento da LG. Ele prevê extensões de planos médicos, indenização de acordo com o tempo de casa, qualificação profissional, entre outros.

Ao todo, cerca de 700 trabalhadores dos setores de celulares e IT (notebooks e monitores) da LG estão parados. Além disso, mais três fábricas que produzem componentes para a empresa também decidiram entrar em greve hoje (13).

Com a saída da LG de SP, 430 funcionários da Blue Tech, 3C e Sun Tech estão ameaçados de demissão. Essas empresas são fornecedoras exclusivas da sul-coreana.


O sindicato também entrou com representação no Ministério Público do Trabalho (MPT) para apresentar denúncia contra a LG. Isso porque a empresa está promovendo uma demissão coletiva em meio a pandemia da Covid-19.

Caso se esgotem as possibilidades de permanência das fábricas na região, a luta será para garantir que todos benefícios pagos aos trabalhadores da LG sejam estendidos às funcionárias da Blue Tech, Sun Tech e 3C - disse o sindicato em nota.

Por enquanto, a LG não se manifestou sobre o assunto.

Atualização (07/04/21) - JB

Após realizar reunião com a direção da LG Brasil, o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté (Sindmetau) confirmou que a empresa deve fechar a sua fábrica em São Paulo e transferir a produção de notebooks e monitores para Manaus (AM).

De acordo com o presidente do Sindmetau, Claudio Batista, a LG explicou que a mudança para a capital do Amazonas será feita com o objetivo de alcançar incentivos fiscais e isenções tarifárias que não são oferecidas em São Paulo.

A LG posicionou que é única e exclusivamente por conta dessa questão do ICMS. Por conta de não ter incentivos no estado de São Paulo, e em Manaus ter os incentivos — disse Cláudio.


Batista ainda confirmou que a transferência de produção deve afetar cerca de 700 trabalhadores em São Paulo (400 do setor de smartphones e 300 da linha de monitores e notebooks). O único departamento que será mantido em Taubaté será o de call center/service, que conta com mais 300 funcionários.

O Sindmetau agora deve iniciar uma série de tratativas com a LG em busca de definir planos de saída para os funcionários. Isso envolve plano médico, participação nos lucros e resultados (PLR), indenização social, qualificação profissional, assistência sindical por 24 meses e condições para instáveis e gestantes. Após o acerto, a decisão será levada para uma assembleia de trabalhadores.

Vamos tentar construir um acordo para que possa ser apresentado para deliberação dos trabalhadores. Todas as questões estarão em negociação a partir de agora. Estudaremos quais as alternativas possíveis para serem aplicadas neste caso.

Na reunião, a LG ainda disse que há a possibilidade de realocação de alguns trabalhadores em Manaus, mas a companhia não apontou a quantidade. De toda forma, o possível desligamento de 700 funcionários é mais um impacto negativo na região de Taubaté, que já foi afetada pela saída da Ford do Brasil.

Texto original (06/04/21)

A LG anunciou nesta semana o encerramento das suas operações no mercado global de smartphones. A medida também deve afetar a fábrica brasileira da empresa e isso fez com que os funcionários entrassem em "estado de greve".

A fábrica de Taubaté (SP) tem um quadro de 1.000 trabalhadores, sendo que 400 deles podem ser afetados pela decisão da LG.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região (Sindmetau), as negociações com a fabricante sul-coreana começaram na última terça-feira (30). No entanto, a empresa ainda não deu uma posição definitiva sobre o futuro dos funcionários que atuavam no departamento de smartphones.

Saída da LG do mercado de smartphones deve afetar a vida de 400 trabalhadores brasileiros.

Comentando o assunto, o presidente do Sindmetau, Cláudio Batista, disse que a LG tem prazo para apresentar uma proposta para seus funcionários.

Os representantes da empresa nos mostraram três cenários: a possibilidade de fechamento, reestruturação e venda do setor. Nossas negociações seguem para amparar os trabalhadores em qualquer um desses cenários.

O prazo se encerra nesta sexta-feira (9), sendo que a resposta pode ser antecipada. Isso porque uma nova reunião entre a direção da LG e o sindicato foi agendada para acontecer ainda hoje (6).

Cabe lembrar que a previsão da fabricante é encerrar completamente a sua divisão de celulares em 31 de julho. Mesmo assim, a companhia promete manter o suporte de atualizações de software para seus aparelhos atuais.


35

Comentários

Funcionários da LG e de fornecedores entram em greve após empresa fechar fábrica em SP
Android

Celular com a melhor bateria! Ranking TudoCelular com todos os testes de autonomia

Android

Celular mais rápido! Ranking TudoCelular com gráficos de todos os testes de desempenho

Android

Cyber Monday 2020 TudoCelular: as melhores promoções em celular

Android

Encontre ofertas e compare preços com o TudoCelular | Guia Black Friday 2020