LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Apple pede e Justiça nega bloquear processo por “esconder” baterias defeituosas em iPhones

01 de novembro de 2023 33

Atualização (01/11/2023) - LR

A Apple pode enfrentar uma ação coletiva no Reino Unido movida por consumidores que acusam a empresa de supostamente introduzir baterias defeituosas em iPhones mais antigos. Os requerentes argumentam que a empresa usou baterias incompatíveis com o restante do hardware nos modelos iPhone 6, 6 Plus, 6S, 6S Plus, SE, iPhone 7 e 7 Plus.

A gigante de Cupertino tentou bloquear o processo, porém o pedido foi indeferido nesta quarta-feira (1º) pelo Tribunal de Apelação da Concorrência de Londres, na Inglaterra, que aceitou a petição dos denunciantes. Um dos processos tem como autor Justin Gutmann, que acusa a Apple de sabidamente esconder esse problema em seus telefones.

Ele também sugere que a empresa norte-americana buscou reduzir artificialmente o consumo de energia mediante uma ferramenta que limitou o desempenho do chipset. Esta não é a primeira vez que a fabricante é acusada de atuar ativamente para encurtar a vida útil de seus produtos; um dos primeiros processos sobre o caso é de 2017.

Apple enfrenta processo de US$ 2 bilhões por “esconder” baterias defeituosas em iPhones.

A Apple negou as acusações afirmando serem "infundadas". Em nota à imprensa, a Maçã destacou que ""nunca, e nunca, faria nada para intencionalmente encurtar a vida útil de qualquer produto da Apple, ou degradar a experiência do usuário para impulsionar atualizações do cliente". Não há mais informações sobre o caso.

A Apple pediu que um tribunal em Londres bloqueie uma ação coletiva que pede indenização de US$ 2 bilhões pelo fato da empresa supostamente ter "escondido" baterias defeituosas em iPhones.

O processo é movido pelo "defensor do consumidor" Justin Gutmann e ainda tem relação com o fato da Apple limitar iPhones mais antigos por meio de atualização de software. O caso já rendeu outros processos e a companhia admitiu o erro, liberando até mesmo uma solução.

Contudo, os advogados de Gutmann acreditam que a Apple ocultou problemas de baterias em certos modelos do iPhone e que esse é o verdadeiro motivo por trás da instalação da ferramenta de gerenciamento de energia para limitar o desempenho.

Imagem/reprodução: acervoTC.

Em sua defesa, a Apple alega que os argumentos listados pelos advogados são "infundados" e nega veementemente que as baterias dos iPhones estavam com defeito. A única exceção envolve um "pequeno número" de modelos do iPhone 6s.

Mesmo assim, a empresa afirma que esses clientes foram convocados a fazer a substituição da bateria de forma gratuita. A Apple também diz que os updates limitaram o desempenho do iPhone 6 em média de 10%, sendo que a empresa ainda listou o pedido público de desculpas como prova da sua boa fé.

Por enquanto, o caso ainda não foi certificado pelo Tribunal de Apelação de Londres. Comentando o assunto, o advogado Philip Moser citou os processos e acordos de 2020 que a a Apple firmou nos Estados Unidos como argumento para que a ação seja aceita no Reino Unido.

Veja mais


33

Comentários

Apple pede e Justiça nega bloquear processo por “esconder” baterias defeituosas em iPhones
Economia e mercado

Huawei Kirin 9010L: chipset inédito é encontrado em smartphone intermediário da chinesa

Android

Celular mais rápido! Ranking TudoCelular com gráficos de todos os testes de desempenho

Android

Celular com a melhor bateria! Ranking TudoCelular com todos os testes de autonomia

Windows

Versão 122 beta do Microsoft Edge com melhorias e atualização de recursos