LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Fabricante ameaça processar Anvisa após acusações sobre Sputnik V; agência se pronuncia

30 de abril de 2021 15

Na última terça-feira (27), a Anvisa emitiu um comunicado afirmando que, de forma unânime, negou a importação de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V, fabricada na Rússia pelo Instituto Gamaleya. A agência alegava que o laboratório não forneceu documentos suficientes para comprovar que sua produção atende os padrões de qualidade.

Outras ressalvas feitas pelo órgão regulador foram em relação a supostas falhas de segurança sobre seu desenvolvimento, sugerindo que o adenovírus utilizado como vetor para a produção da vacina contra o SARS-CoV-2 seria capaz de se replicar no corpo humano, causando infecções potencialmente perigosas.

Dado o contexto, a entidade fabricante da vacina russa comunicou em sua conta oficial no Twitter que pretende promover uma ação judicial contra a Anvisa, acusando o órgão de disparar informações falsas e imprecisas de forma intencional em relação ao composto, agindo sob pressão dos Estados Unidos.

A entidade ainda profere que a Agência de Vigilância Sanitária fez acusações sem que testes sobre o composto fossem promovidos, além de desconsiderar um dos ofícios expressando que nenhum adenovírus replicante está presente na vacina, apenas vetores não replicantes com a glicoproteína E1 removida. Os agentes judiciários do instituto foram acionados.

Na última quinta-feira (29), o diretor da Anvisa realizou um pronunciamento em resposta às acusações da Rússia, refutando as "afirmações falsas", apontando que o órgão negou a importação da vacina com base nos documentos apresentados pelo Fundo Russo, julgados incompletos e descrevendo um composto nocivo.

Não há, nesta instituição, nenhuma pessoa que tenha qualquer interesse ou júbilo em negar a importação de qualquer vacina, produto do escopo da sensibilidade de todos os seres humanos que hoje padecem com esta pandemia; produto tão necessário que demande tanto senso de urgência a todos nós, para que possamos contribuir para que o povo brasileiro atravesse, da melhor maneira possível, este dificil momento da pandemia.

Antônio Barra Torres
Diretor da Agência de Vigilância Sanitária

Após a declaração da agência em coletiva de imprensa, os responsáveis pela Sputnik V voltaram à rede social para reforçar que a agência confirmou, após as acusações, não ter encontrado nenhum adenovírus replicante no composto, e se preocupava apenas com "o limite regulatório da Rússia para esse parâmetro".

É válido ressaltar que as operações de análise da Anvisa causam revolta mesmo entre os laboratórios brasileiros. A Butanvac, produzida pelo Instituto Butantan sem importação de matéria-prima, vem enfrentando entraves para iniciar seus testes clínicos em seres humanos.

Por ora, a CoronaVac é o imunizante mais utilizado no Brasil, sendo um dos primeiros aprovado pela vigilância sanitária. O Ministério da Saúde também conta com a importação de doses da Pfizer/BioNTech aprovadas em registro definitivo no cronograma para meados de maio, enquanto o imunizante do grupo Johnson & Johnson é previsto para o fim do ano.


15

Comentários

Fabricante ameaça processar Anvisa após acusações sobre Sputnik V; agência se pronuncia
Android

Celular com a melhor bateria! Ranking TudoCelular com todos os testes de autonomia

Android

Celular mais rápido! Ranking TudoCelular com gráficos de todos os testes de desempenho

Android

Cyber Monday 2020 TudoCelular: as melhores promoções em celular

Android

Encontre ofertas e compare preços com o TudoCelular | Guia Black Friday 2020