LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Eleições 2022: é possível hackear uma urna eletrônica? | Detetive TC

03 de maio de 2022 118

Conforme se aproxima a data das eleições de 2022, ações são feitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para certificar a lisura do processo de votação no Brasil. Por outro lado, há grupos que ainda colocam em cheque a segurança da urna eletrônica.

Afinal, quais são as características das urnas para que sejam consideradas devidamente protegidas? Será que é possível hackear a máquina de votação usada no Brasil? O Detetive TC foi atrás das informações para explicar a você a seguir.

Funcionamento sem internet

Uma das principais características da urna eletrônica que impedem um hackeamento do sistema é o fato de ela não utilizar internet. Cada unidade dela não tem conexão a nenhum tipo de rede, mesmo aquelas mais simples, como o Bluetooth.

Em outras palavras, sem estar ligada à internet, é impossível a um cibercriminoso invadir o equipamento remotamente — ainda mais em massa, visto que o sistema eleitoral do Brasil tem uma amplitude muito grande.

Assim, caso quisesse ter acesso ilegal às informações, o atacante precisaria estar presencialmente com todas as urnas, algo que não é possível durante um pleito eleitoral e, mesmo que alguém tente invadir uma seção eleitoral, haverá seguranças para impedi-lo de realizar o ato.

Criptografias

Se não é conectada à internet, como se faz a transmissão dos dados contidos nela? Basicamente, a própria urna faz a contagem dos votos recebidos de maneira automática e emite um boletim — impresso — com os resultados. Quando a votação se encerra, o mesário encerra o recebimento dos votos por meio de uma senha.

A informação posteriormente passa a uma mídia digital, a qual possui assinatura digital pela própria urna eletrônica e criptografia por um algoritmo. Esses dados são encaminhados ao TSE via satélite, diretamente a uma rede privada — a qual também conta com servidores criptografados no órgão.

O servidor de destino recebe os dados e faz a checagem da seção, da urna de origem e da assinatura digital. Caso passe em todos os protocolos, o resultado se soma aos demais no TSE, com disponibilidade nos meios de comunicação oficiais.

Para poder quebrar todas essas criptografias, um cibercriminoso precisaria ter um supercomputador, e mesmo assim ainda levaria algum tempo até invadir o sistema do tribunal. Por outro lado, todo o processo explicado aqui acontece em questão de segundos, segundo o TSE, o que não daria tempo de alguém mal-intencionado interceptar à distância.

Medidas para atestar a segurança

O Tribunal Superior Eleitoral realiza testes públicos de segurança (TPS) do sistema da urna eletrônica, nos quais grupos têm a tarefa de violar uma unidade e ver se é segura ou não. Duas falhas superficiais chegaram a ser encontradas por peritos da Polícia Federal em 2019, com ruptura de uma das camadas de proteção e mudança de palavras, porém sem conseguir alterar nomes dos candidatos ou dos eleitores.

Há ainda, na véspera do pleito, a chamada Cerimônia de Votação Paralela. O órgão faz um sorteio de algumas urnas para verificação. Elas são submetidas a uma votação, enquanto há um registro manual dos votos em cédulas de papel paralelamente. Quando o processo é encerrado, as cédulas são apuradas e têm o resultado comparado com o boletim da urna, para atestar o resultado similar.

Para completar, o TSE ainda convida representantes de instituições internacionais para enviar emissários ao Brasil, com o objetivo de monitorar as eleições no país. Para o pleito de 2022, receberam o convite a Organização dos Estados Americanos (OAS), o Centro Carter, o parlamento do grupo Mercosul e a Fundação Internacional de Sistemas Eleitorais (IFES).

A União Europeia também chegou a ser procurada — algo que seria inédito até o momento —, porém — após pressão do governo federal — o tribunal recuou e encerrou as negociações.

Urnas eletrônicas são seguras?

Como é possível constatar ao longo da coluna, existem uma série de fatores que dificultam qualquer procedimento ilegal contra as urnas eletrônicas. Isso não significa dizer com total certeza que elas sejam 100% seguras.

Contudo, as várias medidas feitas pelo TSE para certificar a segurança do equipamento inviabilizam a presença de uma larga quantidade de cibercriminosos presencialmente em todas as urnas do país, ou ainda um tempo suficiente para qualquer ato que comprometa as eleições.

Qual é a sua avaliação sobre a segurança da urna eletrônica no processo de votação no Brasil? Comente conosco!


118

Comentários

Eleições 2022: é possível hackear uma urna eletrônica? | Detetive TC
  • Como se não pudesse atacar pela porta Bluetooth. Kkkkk tadinhos

      • 0010100101001010010199,99÷Jair Bolsonaro

          • O STF, Tsé separa umas 20 urnas pra essas servir pros testes,kkkk essas estão lisa, as outras q estão batizadas,certo seriacem todas juntas aí ir em uma pula outra e vai igual no programa bolsa família do Silvio Santos q os participantes vão em bolsas ao leu,tem videos YouTube mostrando caminhão entregando urnas só o motoristas e porta fica aberta na rua com urnas dentro enquanto ele algumas pra dentro da escola e ninguém vizia

              • Até o papel é forjado ou tem alguém aqui que dúvida ? Não importa o meio quem escolhe não é o povo! Com ou sem papel ,hackeado ou não.

                  • O sistema pode ter um programa malicioso interno, que não se detecta em por auditorias, pois ele só entra em ação no dia e hora do evento (planejado), alterando os resultados e consequentemente enviando os dados ao sistema central. Para validar esta condição, teria se que fazer um teste completo, mudando as datas dos sistemas para simular o real dia da eleição e com votos frequentes o dia todo. Ou seja, teria que simular ao menos 20% dos equipamentos (urnas espalhadas), com pessoas votando e contabilizando manualmente, de minuto a minuto e ao final do dia, entre 17 - 20h fazer o teste de transferências e somatórias no sistema central. Fora isso os testes não são completos e sujeitos e sujeito a falhas por programas maliciosos carregados dentro do sistema de distribuição e carga das urnas.

                      • stf, tse e todas as instituições foram usurpadas por militantes. fim.

                          • claro que sao fraudáveis. agora temos que ficar repetindo um milhao de vezes que o ceu é azul e que a vaca faz moooon. Esse mundo tá um inferno!

                              • Tem que ser muito IMBECIL para afirmar que as urnas eletrônicas são seguras!
                                E o pior é que o animal vem dizer isso em um site de tecnologia!
                                Não existe banco, sistema, urna, etc 100% seguros
                                Isso é fato!!! Para de cagar pela boca!

                                  • Lembrando que só o Brasil, Bangladesh e Butão usam o sistema dessa forma.
                                    CONFIA!

                                    • Simples: Que se PROVE de maneira clara e direta que teve fraudes. A urna emite um boletim ao ser iniciada a votação, e mostra a quantidade de votos já registrada que será zero. Todo partido pode e acompanha esses boletins. No final, é emitido um outro relatório e fixado na porta da sessão. Antes da soma, a urna já diz o que vai ser somado. Qualquer um pode conferir depois no site do TSE. Todo o processo é auditado pelos partidos e diversas entidades. Mas claro, só agora que está essa demonização do processo, em uma clara tentativa de conturbar o processo. Estados Unidos fizeram o mesmo com o Trump e não deu certo.

                                        • As urnas são levadas pra daninhas fechadas e só Tsé q faz a contagem aí eles passa pra um auditor o resultado é esse auditor confirma mas sem ter assistido as contagens acreditando nas fala dos q contaram

                                            • meu deus, q jegue! provar que uma urna eletronica nao pode ser fraudada é o mesmo que vc tentar provar que pagou a conta do telefone sem ter um compravante pra isso! da mesma forma q é a empresa q tem q provar q vc nao pagou, a urna q provar q nao foi fraudada, eu posso até concordar q a urna nao pode ser efetivamente HACKEADA, mas NINGUEM pode dizer q ela nao pode ser FRAUDADA, existem varias linhas de comandos q podem ser colocadas pra interagir entre si, e fazer com que seja formado um resultado fraudado, certamente esse conteudo desse site nao foi feito pra pessoas q entendem de programaçao, ele foi feito pros leigos cairem nessa......

                                              • uhumm... confia...

                                                • Segundo os apoiadores do "mito",a urna nunca foi confiável.
                                                  Se fosse assim, então o fato de Bolsonaro ter ganhado a eleição anterior é falso,afinal,a urna poderia ter sido "hackeada",fazendo dele,o atual presidente do Brasil, não concordam?
                                                  E além disso,porque só nesse ano eleitoral tão questionando isso? Porque não questionaram as rachadinhas da família e dos "leites condensados"? E também existem vários outros questionamentos que deveriam ser feitos,e que são muito mais relevantes que esse medo de perder.

                                                  • A partir do momento em que é o próprio TSE que se incumbe, exclusivamente, de testar, validar, verificar, inserir a tecnologia, promover a totalização e tudo o mais, só por isso, já é inseguro. Um simples teste de votação paralela, utilizando a biometria do eleitor, no dia da eleição, em 2% das urnas e realizado por entidades fora do TSE, poderia verificar a sua confiabilidade.

                                                      • Veja que todos os servidores do TSE são concursados, em 26 anos já passaram centenas de servidores pela área de TI responsável pelas urnas. É impossível que um segredo tenha sobreviva a tantos servidores e a tantos anos. Ademais o próprio Bolsonaro se elegeu com essas urnas, ele e toda a família por mais de duas décadas.

                                                          • Servidores públicos adivinha são canhotas

                                                              • Só para acrescentar a sua postagem, uma boa curiosidade... Até em 2006, as Urnas Eletrônicas eram responsabilizadas por uma empresa privada e rodava no S.O. Windows e continha erros atrás de erros... Assim que a TSE assumiu em 2006, e migraram para Linux, uma boa parte do código fonte antigo foi passado para o "novo" software e atualizado. Porém, atualmente consta mais de 100 erros no código fonte, alguns a mais críticas estão resolvendo aos poucos, mas o problema é a TSE não querer arrumar o Código e insistir que é seguro e não há assegurar que não há erro no software... Ou seja, seria o mesmo caso do Win 95 no dia que o Bill Gates afirmando que o Sistema é perfeito, ao ligar veio a Tela Azul de Erro...

                                                                  • amigo vai ver o vídeo do TecMundo.. e oq os ESPECIALISTAS falam sobre o assunto.. para de refutar algo q vc não tem conhecimento técnico..

                                                                    • Não existe isso de exclusividade do TSE, tudo é verificado por vários outros órgão.

                                                                    • O país onde nada presta e nads funciona , num dos países mais corruptos do mundo , mas a urna eletrónica do brasil tem a tecnlogia mais avançada do mundo , CONFIA !

                                                                        • https://www.google.com/amp/s/www1.folha.uol.com.br/amp/poder/2021/06/so-brasil-bangladesh-e-butao-usam-urna-eletronica-sem-comprovante-do-voto-impresso.shtml


                                                                          difícil confiar na segurança dessas Urnas com esse time de países q usam Urnas de 1ª geração..

                                                                            • Isso é Fake News, as urnas não são de 1ª geração, pois passam por aprimoramentos constantes desde 1996, e acompanham o desenvolvimento cientifico nas áreas de segurança de sistemas e de sistemas embarcados. Tanto é que todo ano, universidades, policia federal e outros órgão tentam invadir a urna sem sucesso, o máximo que conseguiram foi escrever algo na tela, e mesmo assim essas falhas são corrigidas.

                                                                                • Amigo, quem garante que todas as sugestões e aperfeiçoamento são implementados nas urnas no dia da eleição? Vc só pode acreditar em papai noel, coelhinho da páscoa. Ninguém pode confiar em nenhum técnico de governo. Leia meu comentário aí em cima.

                                                                                    • Se for encontrada qualquer vulnerabilidade durante a execução dos planos de ataque, ela será corrigida, sendo os responsáveis pelo respectivo plano convidados, em momento oportuno, a verificar se a questão foi solucionada. E tem mais, todo ano tem esses teste, e certamente eles vão testar as vulnerabilidades do ano anterior. Essas informações são do proprio TSE.

                                                                                    • amigo.. tem vários especialistas na área q falam uma coisa.. e vc tema em falar outra.. qm acha q eu vou acreditar?? óbvio q não vai ser vc.. ver o vídeo do TecMundo sobre o tema.. e os especialistas q ele levou pra falar sobre o tema.. q é o msm especialista q participou de processos de auditoria das urnas..

                                                                                      https://youtu.be/qlPXj6HkxOo

                                                                                    • vejam esse vídeo do TecMundo..

                                                                                      sem viés político.. só a parte técnica sobre o assunto..

                                                                                      https://youtu.be/qlPXj6HkxOo

                                                                                        • essa matéria do TC é muito falha.. não passa credibilidade.. única coisa q fala q foi achada uma brecha em 2019 nos testes e já foi corrigida.. TC não explica os detalhes e nem o caso do HACKER PRESO QUE INVADIU OS SERVIDORES DO TSE E ACESSOU O KERNEL (NÚCLEO) DO SISTEMA DAS URNAS..

                                                                                          peço que vejam o vídeo do TecMundo.. e dps vcs falam se realmente podemos confiar no sistema atual..

                                                                                          só peço +transparência +segurança..

                                                                                          nenhuma técnologia está segura.. nem as urnas q o TSE jura q são invioláveis..

                                                                                          quero um eleição limpa.. independente de qm venha ganhar..

                                                                                            • Detalhes esse hacker ficou um mês mexendo dentro do sistema

                                                                                                • O que foi acessado foi o código-fonte, e esse é acessível a todos o tempo todo, é acessível à Policia Federal, à OAB, às Forças armadas entre outros. E quando assinado digitalmente e lacrado, não há como adulterar, pois ele simplesmente não roda se for modificado. Se fosse possível burlar uma assinatura digital os hacker já estariam ricos burlando programas de bancos. Além do mais são 400.000 urnas eletronicas numa eleição.

                                                                                                    • código-fonte é o seu toba .. kkkkkk

                                                                                                      --- vou explicar para vocês:inviolável é a minha rola. A FAB tem o maior sistema de inteligência no Brasil, foram convidados pelo STF a indicar problemas, encontraram 65% de problemas, além de problemas com a transferência de dados que autor noob diz ai "Via Satélite", apresentou soluções que não foram acatadas pelo atual presidente do STE. E ainda tem coragem de dizer que é 100% segura? A FAB deveria hackear todo este sistema eleitoral lixo, provar quem comanda o Brasil e que pode nos manter seguros contra estes ladrões, instalados em nossa nação.

                                                                                                        • Vc sabe q é código fonte? Seu celular tem um código fonte tbem mas a marca do seu aparelho põe põe cima várias coisa

                                                                                                            • toda tecnologia existe falhas.. só q umas são mais difíceis de conseguir utilizar elas.. vc disse no sistema bancário.. exemplo do atual caso do C6 Bank:

                                                                                                              https://www.tudocelular.com/seguranca/noticias/n189556/c6-bank-r-23-milhoes-desviados-por-clientes.html

                                                                                                              e vc vem dizer q não existem falhas..

                                                                                                        • enfatizo ainda que é impresso o boletim de cada urna no momento do encerramento da votação e distribuido a fiscais e afixado para qualquer cidadão depois conferir se o resultado daquela seção está de acordo com o relatório geral.

                                                                                                          • Todos os servidores do TSE são concursados, em 26 anos já passaram centenas de servidores pela área de TI responsável pelas urnas. É impossível que um segredo tenha sobreviva a tantos servidores e a tantos anos. Ademais o próprio Bolsonaro se elegeu com essas urnas, ele e toda a família por mais de duas décadas.

                                                                                                              • Só para acrescentar a sua postagem, uma boa curiosidade... Até em 2006, as Urnas Eletrônicas eram responsabilizadas por uma empresa privada e rodava no S.O. Windows e continha erros atrás de erros... Assim que a TSE assumiu em 2006, e migraram para Linux, uma boa parte do código fonte antigo foi passado para o "novo" software e atualizado. Porém, atualmente consta mais de 100 erros no código fonte, alguns a mais críticas estão resolvendo aos poucos, mas o problema é a TSE não querer arrumar o Código e insistir que é seguro e não há assegurar que não há erro no software... Ou seja, seria o mesmo caso do Win 95 no dia que o Bill Gates afirmando que o Sistema é perfeito, ao ligar veio a Tela Azul de Erro...

                                                                                                                • Nossa, que pergunta, lógico que não é possível hackear ou adulterar a urna. Oshe, onde já se viu, instigar a dúvida em cima da urna. Um equipamento "inhackeavel' e o mais seguro do mundo. Perfeito igual a Deus, da sua criação até passar tudo pela internet para os servidores do TSE. Cuidado hein TC, STF vai vir atrás de vcs.

                                                                                                                  • Interessante...
                                                                                                                    Mas vamos lá... Um dos maiores especialistas de Falhas das Urnas Eletrônicas, que é o Diego F. Aranha, simplesmente expôs a sua tese em dois momentos, em 2013 diante da Primeira Conferência Nacional de Segurança das Urnas Eletrônicas e posterior em 2018.
                                                                                                                    Mas em 2014, apresenta um relatório de 17 páginas, apresento aqui diante de uma prévia análise de segurança do software da urna eletrônica brasileira baseada na experiência dos autores enquanto participantes da 2a edição dos Testes Públicos de Segurança do Sistema Eletrônico de Votação organizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2014. Durante o evento, foram detectadas vulnerabilidades no software que permitiram a recuperação em ordem dos votos computados. Apresentamos cenários onde as vulnerabilidades permitem a possibilidade de fraude eleitoral e sugestões para se restaurar a segurança dos mecanismos afetados. Também são apontadas outras fragilidades no software e nas práticas utilizadas para confecção do mesmo. Em particular, este relatório versa sobre os principais problemas de projeto e/ou implementação de mecanismos de segurança detectados no software da urna eletrônica:
                                                                                                                    1º - Proteção inadequada do sigilo do voto: os votos são armazenados fora de ordem, mas é trivial recuperá-los em ordem a partir unicamente dos produtos públicos de uma eleição e conhecimento superficial do código-fonte, também de acesso público aos partidos políticos;
                                                                                                                    2º - Cifração inadequada: a mesma chave criptográfica é utilizada para cifrar as mídias de todas as urnas eletrônicas. Utilizando a analogia clássica de um cadeado como abstração de técnica criptográfica, isto é equivalente a proteger meio milhão de cadeados com uma mesma chave, visto ser este o número aproximado de equipamentos em operação. Além disso, a chave que decifra todas as mídias é armazenada às claras na porção decifrada das mídias. Utilizando a mesma analogia, isto equivale a esconder a chave do cadeado embaixo do tapete e confiar no segredo dessa localização como fonte de segurança;
                                                                                                                    3º - Utilização de algoritmos obsoletos: a função de resumo criptográfico utilizada não mais oferece a segurança esperada para sua aplicação em verificação de integridade. Esta aplicação específica da função escolhida não é mais recomendada há pelo menos 6 anos;
                                                                                                                    4º - Formulação equivocada do modelo de atacante: há ênfase demasiada no projeto de mecanismos resistentes apenas a atacantes externos, quando agentes internos representam risco muito maior;
                                                                                                                    5º - Processo de desenvolvimento defeituoso: práticas inseguras permitem a inserção acidental ou maliciosa de vulnerabilidades de software, claramente atestando que o processo de desenvolvimento adotado pelo TSE é imaturo do ponto de vista de segurança;
                                                                                                                    6º - Verificação insuficiente de integridade: o software da urna eletrônica verifica sua própria integridade durante o processo de inicialização, mas toda a informação necessária para subverter esse mecanismo encontra-se armazenada nas próprias urnas eletrônicas, com dificuldades distintas para um ataque, dependendo da presença do módulo de segurança em hardware. Em urnas sem este recurso, o problema de verificação é reduzido a si próprio, sem fonte externa de confiança. Nesse caso, "software auto-verificável'' por assinatura digital equivale a confiar a autenticidade de uma assinatura de punho em um documento apenas ao testemunho do próprio "autor", que, assim, pode se passar por quem quiser. É importante ressaltar ainda que uma assinatura autêntica apenas atesta o processamento do conteúdo assinado em algum ponto no tempo e espaço no qual também estava presente a chave de assinatura. Mesmo que os mecanismos de verificação de integridade não sejam contornados e funcionem a contento, ainda não há qualquer garantia de que o conteúdo do documento é de fato o desejado, visto que no caso o mesmo (software) tem extensão da ordem de milhões de linhas (de código). Caso o software possua vulnerabilidades (como as descritas neste documento), a verificação de integridade (quando não subvertida) tem o efeito colateral de garantir que as mesmas vulnerabilidades estarão presentes em todas as urnas. A versão do código observada pelos autores apresentava ainda como desativada a verificação de integridade de parte do software contido na urna, evidenciando as limitações intrínsecas da técnica.
                                                                                                                    Mais detalhes a respeito dos problemas acima são fornecidos no decorrer no relatório apresentado no link abaixo, mas pode-se observar de antemão que vários dos recursos implementados no software da urna eletrônica não representam mecanismos de segurança, mas apenas de ofuscação, não resistindo a colaboradores internos ou atacantes persistentes. Como vários dos problemas encontrados resultam de falhas arquiteturais ou premissas inadequadas de projeto, é improvável que a intervenção pontual em algumas dessas questões resolva as causas fundamentais para a sua ocorrência. É imprescindível que se execute revisão crítica completa dos processos de desenvolvimento de software para que se estabeleçam boas práticas que tenham condições de evitar que novas vulnerabilidades sejam inseridas acidentalmente ou intencionalmente por agentes maliciosos internos ou externos. Como o modelo de urna eletrônica adotado no Brasil depende exclusivamente da integridade do software para se atingir integridade dos resultados, os problemas discutidos aqui adquirem uma caráter crítico e exigem urgência na introdução de mecanismos que permitam a auditabilidade de resultados independente do software. Apenas com uma revisão de práticas e instalação de metodologia científica para avaliação contínua do sistema, é possível que o software da urna eletrônica satisfaça requisitos mínimos e plausíveis de segurança e transparência. Link do relatório:
                                                                                                                    https://www.kas.de/c/document_librar...groupId=265553
                                                                                                                    Em 2018, foi apresentado novamente uma conferência, a renomeada USP publicou em seu jornal: https://jornal.usp.br/atualidades/ci...-mais-seguras/
                                                                                                                    Como foi o Chefe que liderou em 2013 e em 2014 e posterior recusou em 2018: "O problema começa quando acaba a parte técnica e começa a parte política. Ficou claro que o que a gente tinha descoberto era muito mais sério do que o TSE afirmava. Teve uma audiência pública que eu fui, expliquei o que a gente fez e teve um debate com o pessoal do TSE, que é sempre quando os problemas começam. Eles afirmam que em nenhuma edição dos testes foi quebrado o sigilo ou a integridade dos votos, o que é simplesmente uma mentira deslavada. Eles vão lá com uma postura de defesa incondicional da urna, como se ela fosse uma obra dos deuses, um santo graal da segurança computacional e que é imune a críticas. Enfim, uma loucura".
                                                                                                                    E novamente sem fake news, podem conferir: https://thehack.com.br/o-dia-que-o-t...-diego-aranha/

                                                                                                                    • O idiota que reclama é o mesmo que foi eleito por meio dela! E vive espalhando fake news a respeito!

                                                                                                                      • só tem urna eletrônica no brasil e Cazaquistão...TIREM SUAS CONCLUSÕES...

                                                                                                                          • 23 países usam urnas eletrônica para eleições gerais e outros 18 em pleitos regionais. Entre os países estão o Canadá, a Índia e a França, além dos Estados Unidos, que têm urnas eletrônicas em alguns estados.

                                                                                                                              • Esqueceu de dizer que as urnas, utilizadas por estes outros países, não são de geração ARCAICA e ULTRAPASSADA como são as nossas, do Brasil...
                                                                                                                                As deles têm inclusive comprovante IMPRESSO pra comparação do eleitor votante.

                                                                                                                                  • Uau gênio, comprovante impresso é a volta ao voto de cabresto. Um contratador pode muito bem exigir ver o comprovante de votação para o empregado continuar no emprego, além de traficantes que dominam comunidades, pastores e políticos. Alguma Solução? Disserte....

                                                                                                                                      • O comprovante impresso CAI DIRETO NUM DEPOSITÓRIO acoplado à própria urna, GÊNIO...
                                                                                                                                        Em momento algum o eleitor sequer pode "tocar" no papel, pois o mesmo fica visível e passa SOB um vidro protetor.
                                                                                                                                        Segue link de vídeo OFICIAL DO TSE, divulgando esse modelo, que já seria adotado em 2018.
                                                                                                                                        Porém "MAGICAMENTE" mudaram de idéia...
                                                                                                                                        https://youtu.be/E33l3n6dvMs

                                                                                                                                          • Uau gênio.. agr qm te falou q pode levar o comprovante pra casa?? o tio do zap foi??

                                                                                                                                      • não se esqueça de Butão..

                                                                                                                                        • O problema não está especificamente nas urnas, essas embora já seja notório a possibilidade de invasão (conforme divulgado em relatório pela própria PF) são relativamente seguras, no entanto o mesmo não pode ser dito do processo apuratório feito a portas fechadas dentro do TSE onde a fiscalização é nenhuma.

                                                                                                                                          Não é necessário adulterar milhares de urnas, basta o próprio processo de apuração dentro do TSE ou dos TREs não ser transparente o suficiente para se criar a preocupação real de fraude eleitoral.

                                                                                                                                          Não vejo problemas em se adicionar camadas adicionais de verificação e autenticação de todo processo eleitoral, mesmo porque isso traria muito mais segurança e confiabilidade a todo processo e só vejo criticar o pedido por mais transparência pessoas que são exatamente vinculadas a determinada linha ideológica e politica que já deixaram claro que são a favor de ditaduras.

                                                                                                                                          Já dizia um sábio, que dá para saber do carater de uma pessoa avaliando a conduta de seus oponentes.

                                                                                                                                            • Ou seja, os militares estão questionando as urnas e querendo o voto impresso por não conseguirem burlar o resultado das urnas eletrônicas, pois sabem que se houver um novo governante, haverá investigações e todos se lambuzaram na corrupção regada a leite condensado, viagra, cloroquina, picanhas e cervejas.

                                                                                                                                                • Um moluscao encantador de burros dissecrecebte q só existe corrupção se tiver investigação e q não houve mensalão petrólao nada,mas houve devolução de dinheiro e ninguém devolve algo q nao pegou,ele disse q não era nada dele, mas pediu devolução apartamento e o sítio, ué secnso era dele pediu devolução? E agora disse q o estado tem q pagar indenização por ele ter ficado preso, estado n geta dinheiro é o povo então ele queevq todos pagar ele inclusive quem fica defendendo ele,disse q poderia ter fugido pra outros países pra n ser preso,quem foge é porque deve

                                                                                                                                                    • Interessante...
                                                                                                                                                      Agora entendo por que a MTV faliu "bonito"...

                                                                                                                                                        • sugestão: coloque um militar de plantão vigiando cada eleitor para ter certeza que votou no bozo, um câmera enviando imagem via internet mostrando o voto e enviando diretamente para o quartel com alguns milicianos de plantão, isso sim é transparência!!!!

                                                                                                                                                          • kkkkkkkkkkk tem que ser muito burro par acreditar em urna

                                                                                                                                                              • Resposta de um bolsominion sincero seria assim: É possível hackear a urna eletrônica sim pq o Bolsonaro está em total eminência de uma derrota (e pq tbm seria justamente pro Lula, seu maior inimigo político atualmente), e todos que apoiam o Bolsonaro virariam motivos de chacota se isso acontecer, então agora a urna não é confiável por tudo isso, mas em 2018 e em todos os outros anos que o Bolsonaro se elegeu deputado a urna era totalmente confiável e segura

                                                                                                                                                                • Só idiota vai confiar em um urna eletrônica.
                                                                                                                                                                  Principalmente o Brasil, dos países mais corruptos.

                                                                                                                                                                    Android

                                                                                                                                                                    Celular mais rápido! Ranking TudoCelular com gráficos de todos os testes de desempenho

                                                                                                                                                                    Android

                                                                                                                                                                    Celular com a melhor bateria! Ranking TudoCelular com todos os testes de autonomia

                                                                                                                                                                    Asus

                                                                                                                                                                    ASUS lança novo celular gamer ROG Phone 5s e 5s Pro no Brasil; confira os preços

                                                                                                                                                                    Especiais

                                                                                                                                                                    Nada de Black Fraude! Ferramenta do TudoCelular desvenda ofertas falsas