LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Coronavírus: entenda como é medida a taxa de normalidade de uma cidade | Detetive TC

13 de julho de 2021 0

Ainda estamos longe de nos ver livres da pandemia do coronavírus, mas conforme o processo de vacinação avança no Brasil e no mundo, esse dia se aproxima cada vez mais. E como calcular qual o grau de reabertura de uma cidade para a volta à rotina de uma maneira segura?

Um indicador criado para isso se trata da chamada “taxa de normalidade”. Você sabe o que ela considera, como foi a sua criação e onde tem sido aplicada? O Detetive TC vai detalhar o assunto a você.

O que é a “taxa de normalidade”?

A taxa de normalidade foi desenvolvida pelo infectologista Carlos Starling, membro do comitê de enfrentamento à Covid-19 em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. A intenção da iniciativa foi ser utilizada como um “termômetro” para identificar a situação epidemiológica da cidade.

Esse número passa a ser visto como um conceito, o qual pode ser avaliado como uma maneira de tentar responder à pergunta que não quer calar nos últimos 15 meses: quando a vida retornará ao normal.

Indicadores

Ao todo, são seis grandes critérios considerados para gerar a “taxa de normalidade”. O primeiro consiste na incidência da doença, que leva em conta os novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Na sequência, vem a tendência da Covid-19, ou seja, se há redução, aumento ou estabilidade de contaminados.

Depois, aparece a mortalidade, a qual quantifica os óbitos pela doença por 1 milhão de habitantes nos últimos 14 dias. Da mesma forma, a tendência de mortes também é avaliada e colocada como um dos parâmetros.

O quinto critério é o de letalidade global da doença. Em outras palavras, qual seria o percentual de infectados que morrem em todo o mundo. Por último, está a quantidade de pessoas do público-alvo da vacinação que já está imunizada, isto é, com as duas doses tomadas.

Aplicação na prática

Com base em um cálculo dos parâmetros listados acima, é possível tomar algumas decisões a nível governamental sobre o que reabrir ou não. Em um artigo publicado no último mês de junho no site Estado de Minas, Starling explica melhor o que pode ser feito.

No caso específico da área de Educação, o percentual da cidade na “taxa de normalidade” define se vai ser possível o retorno às aulas presenciais e quais os grupos etários permitidos para isso.

Exemplos de taxas de normalidade

A publicação do infectologista ainda considerou os 5.570 municípios brasileiros e quais são as taxas de normalidade mais presentes nesse total de grupo. No recorte do período, no dia 3 de junho, a maior parte das cidades, com um total de 22,5% dos territórios estudados, estavam presentes em um índice de 50%.

Já em relação a países, com um indicador até o final de maio, o Brasil era o último colocado, quando comparado aos Estados Unidos, Itália e Reino Unido. Desde abril, as nações norte-americana e italiana apresentavam melhora consistente, enquanto o Reino Unido oscilou negativamente em maio.

Para completar, o Brasil teve uma grande piora em abril, mas melhorou em maio, mesmo sem chegar a 60% da taxa. EUA passava de 80%, Itália ficou em torno de 75%, e Reino Unido se mantinha abaixo de 70%.

Modelo em evolução

Como completou Carlos Starling em seu artigo, esta é uma proposta em franca evolução e expansão, a fim de abranger mais áreas conforme o passar do tempo e seus avanços. A intenção é que a taxa de normalidade também seja aplicada a atividades culturais, eventos sociais, retorno ao trabalho presencial em empresas, volta do público a atividades esportivas e funcionamento de estabelecimentos como bares e restaurantes.

Este indicador pode, assim como na capital mineira, substituir outros muito usados em cidades e estados pelo país, como velocidade de transmissão, ocupação de leitos de UTI e ocupação de leitos de enfermaria.

Para você, a taxa de normalidade é mais eficiente na medição de reabertura de uma cidade que os demais parâmetros utilizados atualmente na maioria das localidades? Conte a sua opinião para a gente no espaço destinado a comentários.


0

Comentários

Coronavírus: entenda como é medida a taxa de normalidade de uma cidade | Detetive TC
Android

Melhor celular ou smartphone: TOP 10 para você comprar | Agosto 2021

Android

Celular com a melhor bateria! Ranking TudoCelular com todos os testes de autonomia

Android

Celular mais rápido! Ranking TudoCelular com gráficos de todos os testes de desempenho

Especiais

Nada de Black Fraude! Ferramenta do TudoCelular desvenda ofertas falsas