» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
1.199

Nokia G21

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

O Nokia G21 é o mais recente lançamento da marca a desembarcar no Brasil e traz especificações de intermediário mais simples com a promessa de até três anos de atualizações e conjunto bem equilibrado para conquistar o público brasileiro. A novidade estreou por aqui por menos de R$ 1,8 mil. Será que vale o investimento ou temos opções melhores da Samsung e Motorola? Vamos descobrir.

Acessórios

O Nokia G21 vem em caixa tradicional recheada de acessórios:

  • Carregador de 10W de potência
  • Cabo USB no padrão C
  • Película para tela
  • Guia de uso
  • Capinha de silicone
  • Fone de ouvido
Design e conectividade

Enquanto a Samsung tenta conquistar o público com celulares coloridos, a Xiaomi com aparência chamativa e outras com aparelhos que refletem luz em variadas cores, a Nokia continua deixando o design de lado ao apostar em visual simples. O G21 parece mais um celular básico do que realmente custa.

A novidade da Nokia chegou ao mercado nacional apenas na cor azul nórdico, enquanto em outros países é possível encontrar o G21 em tom de cinza. Independente da cor, a traseira do aparelho é feita de plástico fosco texturizado, o que ajuda na pegada e evita o acúmulo de marcas de dedo. As laterais também são feitas de policarbonato de boa qualidade e passam a sensação de aparelho resistente, mas ainda assim vem com capinha de silicone na caixa.

O módulo da câmera tem design igualmente simples e é feito de peça brilhante de plástico que contrasta com a traseira fosca texturizada. A câmera do topo é a maior das três e essa diferença pode ser por conta do sensor de 50 MP. A Nokia faz questão de mencionar isso ao lado do flash simples de LED.

O leitor biométrico está localizado no botão de energia na lateral direita. Ele fica em altura confortável que garante que até mesmo os canhotos consigam desbloquear o aparelho sem dificuldade. O sensor é ágil e responde bem ao mais leve toque, mas não é possível configurar para que o sensor leia sua digital apenas quando o botão é pressionado.

Do lado esquerdo temos um botão dedicado ao Google Assistente que não pode ser configurado para algum atalho mais útil. Pelo menos a gaveta logo acima comporta dois chips e um cartão de memória ao mesmo tempo, enquanto temos entrada para fones de ouvido no topo.

A parte inferior não tem nada de especial e traz a entrada USB-C, o alto-falante e um dos microfones; há mais um no topo para a captura de áudio estéreo em filmagens. A parte frontal do aparelho exibe entalhe clássico em formato de gota e borda inferior consideravelmente mais larga que as demais.

Em conectividade temos Wi-Fi no padrão AC para suporte a redes de 5 GHz, Bluetooth 5.0 e rádio FM.

Tela e som

O Nokia G21 possui tela de 6,5 polegadas com resolução HD+ e painel IPS LCD. O nível de brilho é apenas decente e está a par de modelos básicos da Motorola e Xiaomi. Não há suporte a HDR e o contraste é um pouco sacrificado quando o brilho está no máximo, mas ainda garante cores vibrantes, bom nível de preto e amplo ângulo de visão.

A tela exibe cores bastante frias por padrão, o que faz com que o branco saia azulado. A Nokia não oferece qualquer perfil de calibração nas configurações do sistema, mas há pelo menos um slide para ajuste da temperatura das cores. Se você puxar todo para o lado das cores quentes, terá uma apresentação mais próxima da realidade, porém o brilho será comprometido.

A taxa de atualização vai até 90 Hz quando no modo Adaptável. Enquanto você não tocar na tela por alguns segundos, terá o painel fluindo a 60 Hz para economizar bateria, mas sempre que tocar na tela terá maior fluidez ao navegar. Também é possível travar o painel na velocidade inferior para economizar o máximo de bateria.

Enquanto Xiaomi e Motorola vêm investindo em celulares intermediários acessíveis com som estéreo, o Nokia G21 conta com apenas um alto-falante na parte inferior e tem sua experiência multimídia limitada a som mono. A potência sonora é apenas mediana e a qualidade não impressiona para a categoria: os médios são quase inexistentes, enquanto os graves saem abafados deixando os agudos em destaque.

A Nokia manda fone de ouvido na caixa que não apenas serve para curtir som em estéreo como também pode ser usado como antena para o rádio FM. Ele é feito de plástico rígido não muito confortável, mas conta com microfone e botão para atender chamadas no cabo.

Desempenho

O G21 vem equipado com plataforma T606 da Unisoc, mesmo hardware presente em celulares básicos como o Galaxy A03 e o Moto E32. O celular da Nokia também vem com 4 GB de RAM, assim como os demais citados, mas aqui há 128 GB de armazenamento, sendo possível expandir com cartões microSD de até 512 GB.


Ele não chega a impressionar em desempenho com uso de vários apps e até ficou abaixo do celular básico da Samsung em nosso teste de velocidade. Mesmo que a interface seja limpa com poucos recursos rodando em segundo plano, o G21 ainda tende a recarregar apps com frequência. Pelo menos ele é mais ágil que o básico da Motorola com mesma configuração.

Em benchmarks temos a média de pontuação de outros modelos com Unisoc T606 e no AnTuTu ficou na faixa dos 160 mil pontos. Nos jogos até que não decepciona, sendo possível rodar PUBG em HD com taxa de quadros no alto e anti-aliasing ativado. No Call of Duty terá boa fluidez na configuração média, mas com demais recursos gráficos desativados.

Bateria

O G21 vem com bateria de 5.050 mAh e a Nokia promete autonomia para três dias, o que pode parecer ousado quando sabemos que a maioria dos celulares fica bem abaixo disso. Claro que o teste adotado pela fabricante possui uma usabilidade mais limitada do que temos no dia a dia e a prova disso fica em nosso teste padronizado com vários apps e alguns jogos onde conquistamos a marca de 28 horas.


É um bom resultado e o coloca a par de outros com bateria do mesmo tamanho, como é o caso do Galaxy A03, mas ainda assim está longe de três dias de autonomia como a fabricante alega. De qualquer forma, dificilmente ficará sem celular no meio do dia por ter exigido um pouco mais dele.


O G21 tem suporte a carregamento de até 18W, apesar de vir com carregador mais fraco na caixa de apenas 10W. Em nosso teste de recarga tivemos que esperar quase 3 horas para ter a bateria completamente cheia. Uma carga de 15 minutos recupera apenas 12% e mesmo com meia hora na tomada só terá 23% para usar.

Câmeras

O conjunto fotográfico do G21 atrai pela câmera principal de 50 MP, enquanto as outras são básicas demais para a categoria: temos dois sensores de 2 MP, sendo um dedicado para o desfoque de cenários e outro com lente macro. Na parte frontal há um sensor simples de 8 MP com foco fixo.

A qualidade fotográfica do Nokia G21 está abaixo do segmento. Falta nitidez e as cores saem muito apagadas. Locais com muita vegetação não apresentam detalhes suficientes e o que está distante fica borrado. A depender da iluminação é possível notar excesso de ruídos mesmo em fotos diurnas.

Noturno


Por mais que o sensor principal tenha alta resolução, o zoom digital de 2x ainda apresenta queda considerável na qualidade. Fotos noturnas ficam bastante granuladas e o contraste já limitado fica ainda pior.

A qualidade geral ao fotografar à noite é apenas decente. Tudo bem que celulares mais baratos sofrem neste ponto, mas o pós-processamento do software não ajuda a lidar com o excesso de ruídos sem matar os detalhes dos cenários. Há modo noturno que ajuda um pouco, apesar da nitidez ainda continuar abaixo do ideal.

Macros



Desfoque



A câmera macro é bastante limitada e precisará de paciência para conseguir boas fotos com ela. A de desfoque até faz uma boa separação de planos, mas nem sempre desfoca no local correto e acaba desativando o HDR, o que deixa o fundo da imagem com a luz estourada.

Se o conjunto traseiro decepciona para a categoria, a câmera frontal, por outro lado, faz um bom trabalho e entrega fotos com qualidade esperada. Em locais bem iluminados terá cores certas e contraste na medida. Ao fotografar à noite não há excesso de ruídos e o desfoque funciona bem em qualquer tipo de situação.

Selfies



O Nokia G21 filma em Full HD a no máximo 30 fps com a câmera traseira e frontal. A qualidade das filmagens é boa, mas não há qualquer sistema de estabilização para lidar com os tremidos. Pelo menos o foco é ágil e a captura de som estéreo não sofre com ruídos de vento.

Software

O G21 vem com Android 11 e a Nokia promete que o aparelho receberá duas atualizações do robozinho, o que deve garantir ter o Android 13 futuramente. Ela também promete três anos de atualizações de segurança, o que teoricamente seria o dobro do que vemos em celulares básicos, mas não espere por patches de segurança mensalmente, já que no momento em que testamos o aparelho ele estava três meses desatualizado.

Não há muito o que comentar sobre o software, já que temos aqui uma versão bastante limpa e próxima do que é visto por padrão no Android sem alguma interface rodando por cima ou enchendo o sistema de recursos que muitos nem chegam a usar. Dito isto, o Nokia G21 entrega boa fluidez e faz bem o básico como é esperado.

Rivais

O Nokia G21 pode ser encontrado atualmente por volta dos R$ 1,5 mil. O que encontramos no mercado nacional nessa faixa de preço?

Da Motorola há o Moto G62 que vem com tela do mesmo tamanho, porém com taxa de 120 Hz e som estéreo para melhor experiência multimídia. Ele foi um pouco mais rápido em nosso teste de velocidade e sua bateria rende quase o mesmo, porém recarrega mais rápido. Nele também temos câmera de 50 MP, mas que registra melhores fotos e ainda vem com ultra-wide para maior versatilidade.

Da Samsung temos o Galaxy M32 com preço próximo. Aqui também temos uma tela de 90 Hz, mas com painel Super AMOLED para melhores cores e contraste. O modelo coreano é ainda mais rápido em velocidade e sua bateria dura o mesmo e ainda recarrega mais rápido. O M32 registra melhores fotos com seu sensor mais poderoso e tem conjunto mais completo.

Pontos fortes e fracos

Pontos fortes

  • Boa tela LCD
  • Desempenho na média
  • Ótima autonomia de bateria
  • Boa câmera de selfies

Pontos fracos

  • Som mono de baixa potência
  • Recarga lenta
  • Demais câmeras abaixo da concorrência
  • Preço salgado pelo o que oferece
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

Seu custo-benefício não é dos melhores e há opções mais interessantes na mesma faixa de preço

Embalagem e características

Embalagem vem bastante completa com capinha, película e fone de ouvido; só poderia ter carregador de 18W

Comodidade

É um celular confortável de segurar e a textura na traseira ajuda na pegada

Facilidade de uso

Android praticamente puro sem firulas e simples de usar

Multimídia

Tela tem bom brilho, mas a parte sonora decepciona por ser baixa e pecar na qualidade

Votação Geral

O Nokia G21 é um celular bacana, mas que apenas se destaca em bateria

Video

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Nokia G21