» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!
922

Redmi 10C

Review
Custo - benefício
Embalagem e características
Comodidade
Facilidade de uso
Multimídia
Votação Geral

O Redmi 10C foi lançado em junho no Brasil juntamente com o 10A e são as novas apostas da Xiaomi para os brasileiros em busca de um bom celular básico. Claro que o preço oficial é sempre salgado por aqui e a novidade chegou por mais de R$ 1,6 mil, enquanto pode ser encontrada no varejo via marketplace por quase metade deste valor. Será que vale o investimento ou temos opções melhores de outras marcas? Antes de responder esta pergunta, vamos conferir tudo o que ele tem a oferecer.

Acessórios

O Redmi 10C vem embalagem tradicional da Xiaomi e traz os seguintes acessórios:

  • Carregador de 10W
  • Cabo USB-C
  • Chavinha da gaveta do SIM card
  • Guia do usuário
Design e conectividade

O Redmi 10C tem design parecido com o do seu irmão 10A. De frente eles são praticamente idênticos com entalhe em formato de gota e queixo protuberante. A diferença fica para as medidas, com o 10C sendo o maior dos dois, mas ao mesmo tempo é mais fino por ter o mesmo tamanho de bateria.

A traseira também apresenta semelhanças com o modelo mais básico da linha. Enquanto o 10A possui textura com linhas verticais, no 10C vemos um padrão transversal. O bloco de câmeras é parecido, sendo formado por duas partes: a maior abriga o leitor biométrico, o nome Redmi e menções à resolução da câmera e recurso de inteligência artificial.

O bloco menor traz as duas câmeras, apesar do estilo cooktop dar a impressão de que temos uma maior quantidade de sensores. Um deles é apenas de enfeite para completar os quatro lados, enquanto outro é o flash em LED. Esse bloco é preto em todas as opções de cores, que são cinza, verde e azul.

O leitor biométrico fica um pouco mais alto do que seria o ideal para muitos e seu sensor não é dos mais rápidos, apesar de reconhecer a digital de primeira. Há entrada para fones de ouvido no topo do aparelho, mas nada de emissor infravermelho como nos modelos mais caros da Xiaomi.

A gaveta para dois chips fica do lado esquerdo e comporta dois nano SIM e um microSD ao mesmo tempo, que, de acordo com a Xiaomi, permite expandir o armazenamento com até 512 GB extras. Do lado oposto há os botões de energia e volume, enquanto na parte inferior temos a entrada USB-C, o único microfone e também o alto-falante.

Na parte de conectividade não há nada de especial com o Redmi 10C. Ele tem suporte a Wi-Fi AC para redes 5 GHz e vem com Bluetooth 5.0, mas deixa de lado NFC e sensores como giroscópio e bússola digital.

Tela e som

A tela do Redmi 10C possui 6,7 polegadas com resolução HD+, taxa de atualização de 60 Hz e painel IPS LCD. O nível de brilho da tela é apenas razoável e isso ainda é comum em muitos celulares baratos. Em locais fechados terá uma boa experiência com bom nível de contraste e amplo ângulo de visão, mas sofrerá para enxergar o conteúdo da tela em dias ensolarados.

O perfil de calibração vem por padrão no Vívido como é comum em celulares da Xiaomi e exagera na saturação para deixar as cores mais frias e passar a sensação de brilho mais forte. Se você prefere cores mais próximas da realidade, será melhor mudar para o perfil Padrão ou alterar a temperatura ao seu gosto.

O único alto-falante na parte inferior não se destaca na parte sonora por ter volume apenas mediano e também por ficar limitado a som mono. Além disso, os agudos se destacam acima do ideal e sobrepõem os médios que ficam perdidos, enquanto o alto-falante é pequeno demais para reproduzir algum grave consistente.

Ao colocar o volume no máximo temos distorção acentuada e isso compromete a experiência com filmes e jogos. Não há fone de ouvido na caixa, como é padrão da Xiaomi, mas a entrada no topo permite o uso de qualquer fone que você possua.

Desempenho

O Redmi 10C é equipado com a plataforma Snapdragon 680 e traz 4 GB de RAM aliado a mais 2 GB de RAM virtual compartilhada com o armazenamento. É uma boa quantidade de memória para lidar tranquilamente com vários apps abertos ao mesmo tempo, mas em nosso teste de velocidade focado no multitarefas vimos o aparelho sofrer e demorar muito para abrir e trazer de volta cada aplicativo do segundo plano.


Este é mais um celular da Xiaomi que fica devendo em otimização de software e vai decepcionar quem usa muitos apps ao mesmo tempo e fica alternando entre eles com frequência. Já para os fãs de benchmarks não há o que lamentar, o Redmi 10C consegue números similares a de outros com Snapdragon 680, como no caso do AnTuTu em que ele empatou com o Realme 9i.

E nos jogos? Call of Duty rodou bem na qualidade gráfica média e até com anti-aliasing ativado, mas demais recursos não. No PUBG é possível ter uma boa experiência com os gráficos em balanceado e taxa de quadros no médio. Neste é possível ativar todos os recursos extras sem comprometer o desempenho.

Bateria

O Redmi 10C possui bateria de 5.000 mAh e se saiu muito bem em nosso teste padronizado chegando perto das 30 horas, o que faz com que esteja entre os melhores quando o assunto é autonomia.


Pelo visto fica claro que a Xiaomi preferiu otimizar o software para fazer a bateria render e não entregar o máximo de desempenho no dia a dia. Assim, se para você o que importa é usar o celular o dia inteiro sem a preocupação de descarregar e ficar na mão no meio do dia, o Redmi 10C vai te agradar.

O que poderia ser melhor é o tempo de recarga. O básico da Xiaomi é vendido como um celular com suporte a carregamento rápido de 18W, porém vem com carregador de apenas 10W na caixa que está longe de ser veloz na recarga. Ele demora quase 3 horas para ir de 0 a 100%.


Não há carregamento acelerado para recargas curtas e terá apenas 8% recuperados com o celular em 15 minutos na tomada. E mesmo que passe de meia hora recarregando ainda terá 20% recuperados.

Câmeras

O Redmi 10C tem apenas duas câmeras na traseira. A principal possui sensor de 50 MP e a secundária serve apenas para desfoque de fundo. A frontal também é simples e conta com sensor de apenas 5 MP para selfies.

Não espere muito do conjunto fotográfico simples do Redmi 10C. Por padrão, a Xiaomi mantém o HDR desativado, o que não faz sentido. Em muitos cenários é preciso ativar manualmente o HDR para evitar fotos escuras demais ou com fundo de luz estourado.

Padrão | HDR



Apesar do sensor ter resolução alta, o software e restante do conjunto não consegue extrair o máximo de sua capacidade. As fotos pecam em nitidez, cores e apresentam granulação acentuada até mesmo ao fotografar em locais bem iluminados. Muitos desses problemas são visíveis apenas ao ampliar as fotos e não devem incomodar a todos.

Zoom


A câmera secundária também não impressiona ao desfocar o fundo de cenários. Ela torna o alcance dinâmico ainda mais limitado e nem sempre consegue aplicar o efeito em toda a imagem, enquanto em outros momentos acaba desfocando até mesmo a pessoa a ser fotografada.

Desfoque



Como não há câmera macro, você terá que usar a principal quando for fotografar algo de perto. O zoom digital só faz o essencial e ampliar além de 2x verá uma perda de qualidade bastante considerável.

As fotos noturnas ficam melhores que muitos básicos que testamos e o modo noturno consegue recuperar detalhes perdidos nas partes escuras. Os ruídos ficam mais evidentes quando o software prolonga a exposição à luz para deixar as fotos mais claras, mas, no geral, o resultado é positivo.

Noturno



A simples câmera frontal registra boas selfies diurnas. O sensor pode parecer muito fraco para os dias atuais, mas até consegue competir com alguns celulares intermediários. O problema fica ao fotografar à noite e as selfies saem escuras e bastante granuladas. E nem mesmo é possível usar o modo noturno que só está disponível com a câmera traseira.

Selfies



A filmadora grava em Full HD a no máximo 30 fps com a traseira. A frontal também é capaz de filmar nesta resolução, mas apresenta queda de fluidez nos vídeos, especialmente ao gravar em locais mais escuros. Não há estabilização, mas o Redmi 10C não sofre tanto com tremidos. O foco é ágil para o segmento e o som é estéreo, porém um pouco abafado.

Software

O Redmi 10C foi lançado com Android 11 e recebeu a atualização para o Android 12 recentemente com a modificação da MIUI 13 por cima. No momento em que testamos o aparelho, ele estava com pacote de segurança dois meses atrasados, sem falar que a Xiaomi pode não lançar mais atualizações do robozinho já que ele recebeu uma logo após seu lançamento.

O software é mais enxuto do que vemos em modelos mais avançados da Xiaomi com MIUI 13. Há o Game Turbo que reúne todos os jogos em uma única tela e oferece algumas ferramentas para aprimorar a jogatina. Também há opção de abrir os apps em modo janela flutuante, recursos de customização da interface e também melhorias para o áudio.

Rivais

Quais os rivais para o Redmi 10C no Brasil? Da Samsung temos o Galaxy A03 que também possui tela LCD de 60 Hz, sendo um pouco menor, mas com brilho mais forte e melhores cores. O modelo coreano possui hardware da Unisoc e até se saiu melhor em nosso teste de velocidade focado no multitarefas e a bateria dura um pouco a mais, apesar de demorar mais para recarregar. O Galaxy também se sai melhor em fotos.

O realme 9i vem com o mesmo Snapdragon 680, mas conta com 6 GB de RAM e software melhor otimizado para entregar desempenho superior. Sua tela IPS LCD de 90 Hz garante melhor fluidez na navegação, enquanto a bateria dura ainda mais. As câmeras são parecidas com as do Redmi, porém registram melhores fotos e vídeos.

Pontos fortes e fracos

Pontos fortes

  • Bom desempenho em jogos
  • Bateria dura bastante
  • Bom modo noturno na câmera

Pontos fracos

  • Desempenho multitarefas
  • Tempo de recarga
  • Qualidade das fotos e vídeos
Avaliação final do Tudocelular
Custo - benefício

O Redmi 10C tem custo-benefício complicado no Brasil, mas pode ser uma boa ao importá-lo

Embalagem e características

Embalagem traz apenas um carregador de 10W, cabo e ferramenta da gaveta do SIM card; nada da capinha como em outros

Comodidade

O Redmi 10C é um celular agradável de segurar, apesar da posição do leitor biométrico não ser das melhores

Facilidade de uso

Ele vem com versão mais enxuta da MIUI, mas com os recursos tradicionais da Xiaomi

Multimídia

A tela tem brilho baixo e o som distorce quando o volume está no máximo

Votação Geral

O Redmi 10C é uma versão melhor do que o 10A, mas peca na otimização de software e câmera

Video

Onde Comprar

As melhoras ofertas para o Redmi 10C