LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Estudo inédito analisa campo magnético do buraco negro presente no centro da Via Láctea

15 de junho de 2020 0

Até onde sabemos, praticamente todas as galáxias do universo possuem em seu centro um buraco negro massivo. Isso inclui a Via Láctea, onde está localizado nosso sistema solar, que abriga o Sagitário A*. Apesar de ser alvo de inúmeros estudos, cientistas ainda possuem poucas informações a respeito do corpo celeste.

Isso deve mudar a partir de agora, com um estudo inédito realizado pelo pesquisador Sean Ressler com apoio de alguns de seus colegas. A equipe analisou o campo magnético de Sagitário A* para conferir se há a chamada Detenção Magnética, quando o campo se expande a ponto de repelir parte do fluxo de matéria expelido.

Para isso, os pesquisadores analisaram inúmeros modelos desenvolvidos anteriormente, que abrangessem não apenas o buraco negro e todo seu sistema, como ainda todas as estrelas que o orbitam, uma tarefa nada fácil quando consideramos que o corpo celeste possui raio entre 10 e 15 milhões de quilômetros, com as estrelas influenciadas por sua gravidade atingindo distâncias de mais de 30 trilhões de quilômetros.

Com os dados, a equipe simulou as órbitas de 30 das estrelas próximas ao longo de mil anos, cujos resultados foram então utilizados em outra série de simulações em escalas de tempo mais curtas. Com isso, foi possível determinar que o Sagitário A* está preso magneticamente ao centro da galáxia, algo que surpreendeu os especialistas, já que o local é relativamente calmo, algo incomum para situações do tipo.

O buraco negro Sagitário A* está preso magneticamente ao centro da Via Láctea.

Segundo Chris White, coautor do estudo, a rotação é outro ponto importante para determinar a agitação de um buraco negro. Quanto mais rápida for, mais jatos serão emitidos. Infelizmente, essa é uma tarefa ainda mais complicada, mas o time de Ressler e White já se comprometeu a enfrentar o novo desafio.

Vale lembrar que ainda neste mês tivemos o primeiro lançamento de astronautas realizado em parceria entre NASA e SpaceX, de Elon Musk. A missão foi um sucesso, e já incentivou a empresa e intensificar seu programa espacial, que realizou neste final de semana seu terceiro lançamento com mais de 60 novos satélites para sua rede Starlink.


Tech

Coronavírus: Brasil chega a 94.660 mortes em 2.750.153 casos confirmados | Relatório diário

Android

Novo Tracker 2021: app e WiFi a bordo fazem diferença? | Análise / Review

Google

Nearby Share: "AirDrop do Google" começa a chegar aos usuários Android em versão beta

Apple

Agora tem widgets? iOS 14 e todas as suas novidades | Hands-on em vídeo