LOADING...
Faça login e
comente
Usuário ou Email
Senha
Esqueceu sua senha?
Ou
Registrar e
publicar
Você está quase pronto! Agora definir o seu nome de usuário e senha.
Usuário
Email
Senha
Senha
» Anuncie » Envie uma dica Ei, você é um redator, programador ou web designer? Estamos contratando!

Xiaomi entra no "clube" de Samsung e Apple após atingir 500 milhões de usuários

16 de maio de 2022 3

A Xiaomi já comemorou, mas somente agora a Counterpoint veio a público confirmar que a chinesa atingiu a marca de 500 milhões de usuários ativos. De acordo com a empresa de pesquisa, os dados foram coletados no primeiro trimestre deste ano e mostram alguns detalhes curiosos.

Ao atingir uma marca tão importante, a chinesa agora faz parte do "clube" de grandes fabricantes globais. Atualmente, temos no ranking Apple e Samsung, além do grupo BBK.

Apesar de ter começado como uma marca sinônimo de custo-benefício, a Xiaomi já não é mais a mesma de 10 anos atrás. Isso ficou evidente após a companhia desmembrar as marcas Redmi e POCO para focar no segmento de preço acessível, enquanto ela lança aparelhos premium.

Além disso, a Counterpoint afirma que a receita de sucesso para o crescimento da Xiaomi está no fato da empresa focar nos mercados certos. Ou seja, primeiro na Índia, África e Sudeste asiático para só depois chegar a outros países da Europa ocidental e América Latina.

Outro detalhe curioso é que, diferente da Huawei, a Xiaomi não quis entrar no mercado estadunidense e simplesmente ignorou o país. O maior foco da companhia nas Américas envolve México, Brasil, Argentina e outros países do "cone sul".

Imagem: Counterpoint.

Quando o assunto são as receitas da marca, chama a atenção que a Xiaomi tem sua maior fonte nos "serviços de internet" da China. Ou seja, os anúncios da MIUI chinesa chegam a representar 80% da lucratividade da marca em sua terra natal.

Essas receitas mais fortes na China ajudam a marca a subsidiar o lançamento de celulares acessíveis no resto do mundo. Isso porque onde há serviços do Google a empresa não consegue ter uma boa margem de lucro.

Para crescer no exterior, a Xiaomi tem precisado desenvolver outros serviços que possam alavancar a MIUI, como o seu método de pagamento e até mesmo a venda do ecossistema com produtos de IoT.

A Counterpoint acredita que no médio prazo a Xiaomi precisará ampliar a venda de produtos inteligentes fora da China e ao mesmo tempo continuar oferecendo apenas celulares premium na China.

Isso porque a marca precisa continuar crescendo e isso já não é tão mais fácil como há alguns anos atrás, uma vez que a concorrência está muito maior.

Veja mais


3

Comentários

Xiaomi entra no "clube" de Samsung e Apple após atingir 500 milhões de usuários
Android

Celular mais rápido! Ranking TudoCelular com gráficos de todos os testes de desempenho

Android

Celular com a melhor bateria! Ranking TudoCelular com todos os testes de autonomia

Windows

Versão 122 beta do Microsoft Edge com melhorias e atualização de recursos

Economia e mercado

Vídeo gravado por passageiro mostra interior de aeronave após acidente no Japão; assista